Filmes e formas de ver a velhice

Comente sobre o filme que você assistiu, sua forma de analisar, a importância e o momento em que os filmes aconteceram. Você poderia registrar esse olhar? Muito agradecida, por fazê-lo.

O artigo Os velhos que nos levou a percorrer o caminho histórico sobre a forma e formas de ver a velhice.

Hoje, mencionamos dois filmes e um seriado que, na década de 80, contribuiram para a mudança da visão negativa sobre a velhice. As mudanças foram sutis, mas o importante é que começaram.

Ainda temos um longo caminho. Por isso e para isso, eu e você estamos aqui.


Filmes:

Cocoon – 1985 “Embora possa ser demasiado sentimental para alguns, conto sobrenatural de Ron Howard da eterna juventude é suave e reconfortante, tocando em questões pungentes de idade no processo”, assim foi a opinião da crítica.
Uma forma de dizer: velho é consciente, ativo e participativo.

Conduzindo miss Daisy 1989 Uma idosa (Tandy) e excêntrica judia é obrigada pelo filho (Aykroyd) a conviver com um motorista negro (Freeman), contratado para serví-la. De início ela recusa o novo empregado, mas aos poucos ele vai quebrando as barreiras sociais, culturais e raciais que existem entre eles e os dois acabam estabelecendo uma comovente relação de amizade, que dura mais de vinte anos. Jessica Tandy tinha 81 anos de idade quando recebeu o prêmio de melhor atriz, e foi a atriz mais idosa da história do Oscar a recebê-lo.

É interessante observar que estão presentes dois problemas socais: velho e negro.

Seriado:

Assassinato por escrito – 1984  A história girava em torno da vida de uma professora de inglês chamada Jessica Fletcher, residente em Cabot Cove, que após se aposentar e ficar viúva do seu marido Frank, passou a escrever histórias de mistérios. A personagem principal uma eficientíssima detetetive, profissão para homens jovens. 
Obs: O artigo “Os velhos” está entre as postagens do mês de agosto de 2015

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *