Pular para o conteúdo principal

O poder intergeracional de Elza Soares


Elza Soares, 85 anos. Sua voz está tão potente como antes, porém mais rouca e grave, o que confere a ela certa autoridade.


A Virada Cultural é um evento anual promovido desde 2005 pela prefeitura de São Paulo com o intuito de promover na cidade, 24 horas ininterruptas de eventos culturais dos mais diversos tipos, como espetáculos musicais, peças de teatro, exposições de arte e história, entre outros. A Virada tem levado  atrações de primeira linha a cidadãos de todas as classes sociais e em diversas regiões da cidade. 





Em 2016 entre os jovens Criolo, Valesca Popozuda e Maria Rita, eis que na Virada Cultural de 2016 surge Elza Soares, veterana da música brasileira e inspiração para tantos novos músicos que ainda engatinham em suas carreiras artísticas. Seu legado é gigantesco: desde o início dos anos 60 ela apaixona e influencia cantoras e cantores das mais variadas gerações, tornando-se uma espécie de madrinha da MPB. Na madrugada de 21 para 22 de maio, noite da sua apresentação na Virada, não foi diferente: Elza lotou o palco da Avenida São João e comoveu o público com sua voz.


Não é à toa: aos 85 anos, a cantora possui fãs da sua época jazz de “Bossa Negra” (1960), do samba-funk de “Samba, Suor e Raça” (1972), dos embalos de “Língua” junto com Caetano Veloso (1984), ou dos sambas de raiz que sempre cantou ao longo de sua carreira. Seu legado, por si só, já garantiria uma Avenida São João lotada. Mas ao longo do show ficava fácil perceber que não era só isso.


Claro, Elza flertou com o samba clássico cantando “O Malandro”, arrancando o coro de “La-laia” da plateia; mas a grande atração da noite foram as canções de seu novo disco, “A Mulher do Fim do Mundo”, lançado no ano passado. Nele, sem abandonar suas raízes no samba, na bossa-negra ou no funk, a cantora traz uma nova banda, novos arranjos e, acima de tudo, novas letras. No álbum, Elza canta sobre o que é o Brasil nos dias atuais: a corrupção, a violência contra o povo negro, a violência contra a mulher, a inquietação nas ruas. “A Mulher do Fim do Mundo” é um retrato visceral do presente. E, assim como o disco, o show na Virada foi intenso. “Vamo fazer barulho para acordar o pessoal!”, gritava Elza.


Sua voz está tão potente como antes, porém mais rouca e grave, o que conferia a ela certa autoridade. Tanto a sua banda como o público eram formados por pessoas mais jovens que ela, pertencendo desde a adolescência até a terceira idade. A cantora, então, assumia um papel de líder intergeracional, como se aglutinasse representantes de diferentes idades em um só coro. Se aos seus 85 anos ela teve a ousadia de tocar nas feridas que ainda estão abertas na sociedade, na noite de sábado ela colheu seus frutos: uma multidão de jovens e idosos que vê nela uma figura inspiradora.


Eu, no meio daquela multidão, mal conseguia ver o palco - de tão lotado, mal conseguia olhar o telão. Porém, conseguia ouvir a música e os gritos de Elza que parecia tanto uma figura pertencente à história da música quanto aos tempos atuais do Brasil. Ao meu redor reuniam-se sambistas e punks, velhos e jovens, que compartilhavam a admiração pela artista e cantavam de cor as músicas de “A Mulher do Fim do Mundo”.


Se mal pude enxergar o que acontecia no palco, em compensação vi muito bem o tamanho do público que encheu a Avenida São João para ver a artista, cantando suas novas músicas. Senti que, mais importante do que eu chegar lá na frente, o melhor acontecia: Elza Soares continuava a comover multidões com suas performances, mostrando o poder que uma pessoa aos seus 85 anos tem de juntar diferentes gerações com um olhar único.


(*)Yuri Pomeranz é publictário e entusiasta da musicologia, e escreve no blog. Acesse Aqui 

Comentário do Blog: Ouça uma Elza Soares, forte, magnífica e cidadã ativista.

[youtube]https://youtu.be/iXyXbyEW2YA[/youtube]

Imagem: radiotomsocial.org.br         Fonte:http://www.portaldoenvelhecimento.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dia de São Valentim - dia dos namorados

Enamorados durante mais de 50 anos: A fotógrafa retrata O Amor de Casais Idosos Os meios de comunicação convencionais estão saturados de imagens de casais ou pares jovens e bonitos, mas… aonde estão os velhos amantes que há mais de 50 anos compartem  seu amor e seus vínculos insondáveis? A fotógrafa Lauren Fleishman  capturou com sua câmara os retratos alentadores e ternos de casais cujo amor tem sobrevivido mais de meio século em uma adorável série de fotografias  intitulada “Los Amantes”. A fotógrafa tinha a intenção, em princípio de fotografar 50 casais nada mais, mas rapidamente o projeto chegou ata 100. Descobriu que simplesmente pedindo aos  velhos casais que se beijassem os fazia sentir-se a vontade e recordar seu amor na juventude. A inspiração de Fleishman para começar este projeto surgiu ao ler as cartas de amor que seu avô escreveu para sua avó durante a 2ª Guerra Mundial. Despois que faleceu, o diário ajudou a fotógrafa a compreender o matrimonio de seus avós de uma forma …

Como percebemos a passagem de tempo? - Opinião Minas - Parte 1

Bom dia!  O cuidado responsável e carinhoso marca cada um dos temas que posto aqui e, afirmo a Você. que tenho aprendido e apreendido sempre. Meu grande objetivo é que estejamos, Você e eu, juntos nesta caminhada. Hoje, por exemplo, é com alegria que posto dois vídeos de uma entrevista com Maria de Lourdes Goveia que "poetisa" a filosofia numa interessante conversa sobre o tempo. Maria de Lourdes atualmente é professora da Pontificia Universidade Católica de Minas Gerais. Em 26/06/2015 no Programa opinião Minas começas assim: Já teve aquela sensação de que o tempo está passando cada vez mais rápido? Já estamos quase na metade do ano e a impressão para algumas pessoas é que os últimos meses simplesmente voaram. De onde vem essa sensação? Quem nos ajuda a entender o assunto é Maria de Lourdes Gouveia, doutora em filosofia.

Como percebemos a passagem de tempo? - Opinião Minas - Parte 2

Dias Nacional e Internacional do Idoso

No Brasil, há duas datas para celebrar a pessoa idosa. Hoje, 27 de setembro, é o Dia Nacional do Idoso e no dia 1º. de outubro, o Dia Internacional do Idoso.
A frase de Augusto Cury retrata um belo princípio do envelhecimento ativo.
Fonte: https://www.facebook.com/ilcBR

O Cuidado - excelente palestra