A Cidadania na Perspectiva da Velhice

Desafios cotidianos para viver com dignidade

Comentário do Blog: Com a palavra os organizadores do livro “A Cidadania na Perspectiva da Velhice” editado pela EDITUS – EDITORA DA UESC Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus/BA

Este livro traduz uma proposta dos organizadores de discutir a questão da cidadania na velhice, sob enfoques distintos do conhecimento – jurídico, educacional, de saú- de, econômico – entrelaçados com as políticas públicas, em artigos cujos autores têm formação diversa e sensibilidade focada na realidade da velhice brasileira.

Os artigos apresentam conteúdos oriundos de experiências de profissionais que ousam pensar o cotidiano de pessoas idosas nos enfrentamentos dos problemas vividos a cada minuto.

O tema, por si, é instigante, na medida em que se considere a cidadania como um conceito itinerante, cuja compreensão muda no tempo e no espaço e, além de não alcan- çar toda a população brasileira, ainda trata boa parte dela com medidas assistencialistas, com ações sociais que mais alienam do que combatem o efeito, pois não buscam responder às causas e mantêm o mesmo status quo.

Os focos da cidadania têm transitado, historicamente, entre: posse de bens, direitos políticos (como organizar-se, votar, ser votado), vinculação formal ao mercado de trabalho (para acesso à saúde, por exemplo), direito ao consumo, tanto de bens quanto de serviços necessários à sobrevivência, além da solidariedade, do cuidado e, mais recentemente, da sustentabilidade.

Embora traduza um princípio de igualdade, considerando, como quer Touraine1 , que “a ordem social repousa sobre a adesão a valores comuns” e supoe a inserção de indivíduos na esfera pública por meio de um conjunto de direitos, de de veres e de benefícios, para que todos possam ter, de acordo com a sua situação, acesso a esses benefícios2 , bem sabemos que se trata de condição não alcançada plenamente por aqueles que de fato precisam.

A política de saúde, por exemplo, é uma política de atenção à vida individual e coletiva. Alimentar-se, vestir-se, morar digna e confortavelmente, ter acesso aos serviços que previnam doenças e promovam a saúde, renda para não depender de esmolas que humilham e diminuem a altivez do ser humano, água, acesso a medicamentos e assistência mé- dica, são aspectos da vida que qualifi cam a cidadania.

E não pode haver cidadania se não há medidas na sociedade que protejam a vida pessoal dos indivíduos.

Portanto, a cidadania precisa de políticas de atenção à vida. Nisso os textos aqui apresentados são claros quando analisam, desde a construção da cidadania enquanto conceito polissemico, até as políticas públicas de proteção à velhice, sinalizando que os idosos têm direito a viver, mas não viver precariamente, fragilizadamente, vulneravelmente, maltratados inclusive institucionalmente, mas viver com plena dignidade.

Os Organizadores

Fonte: http://www.uesc.br/editora/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *