Curso de Atenção à Pessoa Idosa

Ministério da Saúde e UNA-SUS lançam curso de Atenção à Pessoa Idosa

A capacitação tem carga horária de 55 horas e faz parte do Programa de Qualificação da Atenção à Saúde da Pessoa Idosa. Os interessados podem se matricular até o dia 20 de novembro, clicando nesse link.

Secretaria Executiva, da Universidade Aberta do SUS (SE/UNA-SUS), e a Coordenação de Saúde da Pessoa Idosa (Cosapi/Dapes/SAS/MS), do Ministério da Saúde, lançam nesta terça-feira (19) o curso de Atenção Integral à Saúde da Pessoa Idosa. O objetivo é capacitar os profissionais de nível superior para o atendimento integral à população com 60 anos ou mais.

A capacitação tem carga horária de 55 horas e faz parte do Programa de Qualificação da Atenção à Saúde da Pessoa Idosa. Os interessados podem se matricular até o dia 20 de novembro, clicando nesse link.

O curso abordará questões clínicas e sociais, distribuídas em cinco unidades: Envelhecimento Populacional, Ações Estratégicas, Avaliação Multidimensional e Condições Clínicas e Trabalho em Equipe.

Para a coordenadora de Saúde da Pessoa Idosa da Cosapi, Cristina Hoffmann, o curso é de extrema importância. “Para atender as necessidades da população idosa se faz necessário investir na qualificação do cuidado ofertado no SUS, por meio de outras ações, da capacitação e atualização dos profissionais de saúde”, afirma Cristina.

Promoção do envelhecimento saudável – De acordo com o IBGE, a população com 60 ou mais representa 13,7% dos brasileiros. Até 2050, a previsão é de que esse número suba para 1/3 da população. Por isso, é fundamental que os profissionais de saúde estejam preparados para a promoção do envelhecimento saudável.

Essa inversão da pirâmide etária nacional, chamada de transição demográfica, traz consequências diretas ao sistema de saúde. “Com a população envelhecendo, é necessário desenvolver novas estratégias de promoção de saúde, prevenção de doenças, diagnóstico, tratamento e reabilitação”, esclarece o consultor da SE/UNA-SUS, Paulo Coury.

O novo perfil da população faz com que a atenção se volte para as doenças crônico-degenerativas em adultos e, nas próximas décadas, estará cada vez mais focada nas sequelas destas doenças em idosos. Entretanto, as diretrizes da Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa, do Ministério da Saúde, vão além das condições clínicas. Elas preconizam o cuidado integral da pessoa, promovendo ações direcionadas à manutenção da qualidade de vida individual e coletiva e a garantia da autonomia e independência do idoso.

Para tanto, é preciso entender as diferenças de cuidado entre os idosos independentes e vulneráveis, traçar um plano de atendimento para cada grupo, conhecer e usar a rede de apoio disponível, como Academias de Saúde e Melhor em Casa. “Esse trabalho só é possível com a implantação de uma avaliação multidimensional, onde aspectos clínicos e psicossociais são igualmente importantes. O foco no indivíduo em sua integralidade representa uma resposta importante ao envelhecimento populacional do Brasil”, ressalta Coury.

Para Hoffmann, além da sensibilização para as questões que envolvem o envelhecimento, “os profissionais devem ter uma escuta qualificada, e as suas ações voltadas para o cuidado continuado, pautado no respeito e garantia de direitos, buscando contribuir para a manutenção da autonomia e independência dos idosos”, diz.

Mais informações na página do curso: http://unasus.gov.br/page/cursos-abertos/atencao-integral-saude-da-pessoa-idosa.

Fonte: http://www.unasus.gov.br                               Imagem: boletimsaudeudi.blogspot.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *