O papel político e o voto das pessoas idosas

Se os idosos não ocuparem seu espaço político, certamente outros o ocuparão o que traz repercussões graves para a conquista da sua cidadania no contexto democrático, especialmente na democracia participativa. Outro fator que fortalece o distanciamento dos idosos do processo político é a não obrigatoriedade do voto a partir dos setenta anos.

Comentário do Blog: Em junho deste ano/2016 li um artigo com este título:  “El rol político y el voto de las personas mayores en Perú”. Li e guardei. Guardei porque entendi que se tratava de  uma realidade universal e um tema que aborda um dos maiores exercícios de cidadania, em conformidade com a legislação vigente. Agora, sob o som ensurdecedor das campanhas dos candidatos das eleições municipais, busco dizer a você o quanto nossa igualdade é universal, num simples exercício.  Ao fazermos a substituição das palavras eleições Peru por eleições Brasil, peruanos por brasileiros e eleições presidenciais por eleições municipais, estaremos falando de uma mesma realidade. O texto a seguir foi escrito por Haydee Chamorro García, Trabajadora Social, Perú e publicado em QMayor Magazine  em 04/06/2016. Gracias amiga! @AydChg6 

Estamos vivendo em uma situação política no Peru com a eleição para a presidência do nosso país; no que hoje 05 de junho está sendo feito o segundo turno, a escolha é entre dois candidatos a Sra Fujimori Keiko e o Sr. Pedro Pablo Kuczynski, que foram primeiro e segundo, respectivamente, no primeiro turno, em 10 de abril.

Em relação a este contexto, é necessário destacar a importância do exercício do papel social e político dos cidadãos e de todas as idades, especialmente os idosos, que atualmente representam 9,7% da população com mais de 3,50 milhões de pessoas com mais de 60 anos (INEI, Dez/2015), e o Peru é parte do fenómeno de envelhecimento da população em todo o mundo e especialmente na América Latina.

A legislação atual do processo eleitoral, a Ley Orgánica de Elecciones Ley N° 26859 diz que sõ obrigado a votar aqueles com mais de 18anos até aos 70 anos, depois de 70 anos o voto é opcional, ou seja, fica a critério da pessoa leitor e leitora.

Falar sobre o papel social e político dos idosos não se refere apenas ao ato específico de votar que por sinal é caracterizado por uma grande afluência e pontualidade, mas a opinião crítica e participação ativa nas discussões, manifestações públicas, ou em conversas diárias com a família e nas ruas; e este papel, muitas vezes invisível, deve ser reconhecido pela comunidade peruana, que terá cada vez mais população idosa.

 Os idosos e as idosas que votam tem a clareza de que é seu dever e seu direito de participar nos processos de tomada de decisões democráticas no país; também, claro é de que se sentem parte do problema e, também, leva a sentir-se parte da solução.

Conversar com várias pessoas mais velhas nesta conjuntura dos processos eleitorais, permitiu-me reafirmar que, sem memória é impossível construir a história, por isso mesmo é fundamental promover e assegurar a sua participação ativa em espaços de tomada de decisões sobre várias Agendas Públicas, com ênfase em agenda do idoso; com as suas opiniões, críticas e propostas em espaços intergeracionais podemos continuar a construir a democracia e uma sociedade com justiça social para todas as idades.

Sobre os desafios

A percentagem de eleitores adultos mais velhos é muito importante para qualquer candidato à Presidência do país, e muito mais neste segundo turno, que está sendo definido , por isso, muitas pessoas mais velhas vão dar o seu voto.

No entanto, cabe mencionar que a acessibilidade para chegar aos locais de votação ainda tem muitas limitações para este grupo de idade e para pessoas com deficiência, onde estão localizados os pontos de votação nem sempre são no primeiro andar e as filas muitas vezes são extensas.

Além disso, o voto eletrônico, que será utilizado em 19 distritos de Lima, não teve em todos os municípios do distrito, ações de formação deste tipo de voto para os idosos para não mencionar um tratamento preferencial, mas o respeito pela diferença de capacidades, e, portanto, tomar medidas para garantir que não existem limitações ao exercício do direito de voto para qualquer um.

O candidato eleito tem compromissos para cumprir a agenda do Idoso – ambas as partes assinaram um compromisso com esta agenda em um espaço promovido pela Sociedade Civil em fevereiro passado – em garantia do princípio da assinatura do Peru, em “a Convenção Interamericana sobre a Proteção dos Direitos das Pessoas Idosas”, evento patrocinado pela OEA em 15 de junho de 2015, documento de grande importância para garantir seus direitos.

Imagem: willmenezes1.blogspot.com

Convencao-interamericana-sobre-a-protecao-dos-direitos-humanos-dos-idosos-OEA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *