Para que serve o sono e qual a sua função? Parte 2

Embora restem numerosas perguntas, sabemos que o sono está associado a funções imunes, endócrinas, de aprendizado e memória

Por que não dormimos

Um dos transtornos do sono mais frequentes é a insônia. Considera-se insônia quando demoramos mais de 30 minutos por noite para começar a dormir, despertamos repetidas vezes ou por mais de meia hora durante a noite, existe baixa eficiência do sono ou ainda quando dormimos aproximadamente menos de 6 horas e meia.

A presença da insônia por tempo prolongado provoca consequências negativas na qualidade de vida e, em particular, é associada a pior rendimento cotidiano, mudanças no estado de ânimo, irritabilidade e maior probabilidade de sofrer acidentes. Algumas das causas comuns da insônia são o estresse, a ansiedade e a depressão; medicamentos receitados, incluindo vários para o coração e a pressão arterial; cafeína, álcool e nicotina; condições médicas subjacentes; maus hábitos de sono; e o envelhecimento.

Embora restem numerosas perguntas, sabemos que o sono está associado a funções imunes, endócrinas, de aprendizado e memória

É importante destacar que as preocupações e as crenças sobre o sono e suas possíveis consequências exercem um papel central na gravidade e na permanência da insônia. Os insones costumam ter uma personalidade ansiosa e perfeccionista, e por isso tentam controlar o processo do sono. Paradoxalmente, quanto maior for a tentativa de controle, maior será a dificuldade para conciliar o sono.

As pessoas com insônia crônica costumam apresentar problemas de atenção e memória, desfrutam menos as relações sociais e familiares e exteriorizam mais queixas físicas que as pessoas que não sofrem do problema. Além disso, irritam-se mais facilmente e dizem estar tensas. Estudos longitudinais mostraram que a privação de sono aumenta a mortalidade por acidentes e exacerba as doenças. A falta de sono afeta o sistema endócrino, o sistema imune e o metabolismo. Portanto, pode se transformar também em fator de risco para obesidade, diabete e problemas cardíacos.

É essencial conhecer pontos importantes para a higiene do sono, que buscam desenvolver hábitos compatíveis com o bem dormir. Por exemplo, associar o quarto com essa atividade, eliminando dessa maneira as condutas incompatíveis com o sono, como ver TV, escutar rádio e ler livros ou revistas. O ambiente deve ter uma temperatura adequada e níveis mínimos de ruído e luz.

Também deve-se evitar ingerir álcool duas horas antes de se deitar porque, apesar de ser um depressor do sistema nervoso central, o etanol conduz a um sono pouco reparador. Bebidas, alimentos e remédios com cafeína agem como estimulantes, e por isso não devem ser consumidos a partir de seis horas antes de dormir. Fumar e consumir grandes quantidades de açúcar têm o mesmo efeito. Outro conselho é não comer quando o sono é interrompido, já que criaríamos o costume de acordar toda vez que temos fome.

Fala-se de insônia quando demoramos mais de 30 minutos por noite para começar a dormir

Mas além de todas essas respostas à pergunta inicial sobre as funções do sono, que por si sós já parecem suficientes, há uma fundamental para os seres humanos. Porque o sono também serviu de inspiração para uma das mais belas tradições da literatura popular ao longo da história: as canções de ninar. Federico García Lorca fez referência a elas quando disse que “para provocar o sono da criança, entram em cena vários fatores importantes se contamos, naturalmente, com o beneplácito das fadas. As fadas são as que trazem as anêmonas e as temperaturas. A mãe e a canção propiciam o que falta.”

Facundo Manes é neurologista e neurocientista (PhD em Ciências, Universidade Cambridge). É presidente do Grupo sobre Afasia, Demência e Transtornos Cognitivos da Federação Mundial de Neurologia e professor de neurologia e neurociências cognitivas na Universidade Favaloro (Argentina), na Universidade da Califórnia em São Francisco, Universidade da Carolina do Sul (EUA) e Universidade Macquarie (Austrália).

Comentário do Blog:  Manes encerra o artigo mencionando as canções de ninar de Fredrico  Garcia Lorca. Infelizmente não as encontrei. Como gosto muito dos artigos de Manes e sou fã de Garcia Lorca, os brindo com um poesia  Mi niña se fue a la mar musicado por Paco Ibañez , cantado por ele e sua filha Alicia (2002).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *