Destruindo certos estereótipos sobre a idade

22 imagens que vão fazer você se sentir um pouco mais velho do que eles.

Envelhecer não é sinónimo de “aposentar-se” e esperar passivamente passar os dias. Pelo contrário, enquanto a saúde permitir precisamos sair e realizar atividades que gostamos.

Não vamos perder a alegria de viver, brincar e desfrutar diariamente, se possível. Qualquer que seja a situação e em qualquer momento do dia,  sempre é possível fazer alguma cosa  para se sentir bem

Comentário do Blog:  Postado no dia 18/09 o artigo  Nora Rónai: braçadas de uma ‘brasileira de coração’ mostra um exemplo de uma brasileira que escolheu viver com saúde e alegria.

 

Podemos escolher entre várias possibilidades de acordo com a nossa saúde, gostos e recursos econômicos. Por exemplo: cantar, dançar, ler, escrever, desfrutar de um delicioso sorvete, ou tomar chá com  bolo de chocolate, passear ou jogar (jogos de salão). E também, é claro, praticar alguma atividade física, visitar amigos, brincar com os netos, etc.

Mantenha-se ativo dentro de nossas possibilidades, vai trazer benefícios para o nosso corpo e alma. Vamos ter uma saúde melhor, desfrutar diariamente e relacionar-nos com: outras pessoas, família, amigos, meio ambiente. Além disso, manter-se longe da depressão e stress.

Se olharmos para estas 22 imagens, vemos claramente a alegria de viver ao máximo e amor pela vida. Devemos tomá-lo como um exemplo de vida … mas alguém vai se sentir mais velho ao lado deles por não saber aproveitar tudo o que a vida nos dá e que muitos não estão aproveitando.

Comecemos com a história de Ruth. Então você vai perceber que a vitalidade nos conduz  a levar a vida com um pouco mais de humor.

ruthRuth Flowers – tinha 58 anos, quando seu marido morreu. Inesperadamente. No dia anterior, Ruth estava totalmente satisfeitao com a sua vida de aposentada com o marido em uma cidade turística na costa de Portugal. Mas um dia mais tarde, isso mudou drasticamente. A acolhedora casa e a piscina era a mesma, mas ela  só lembrava de sua perda.

Ruth tinha vivido com o marido quase 40 anos. Seu mundo entrou em colapso com a sua morte. Tudo o que o esperava no futuro seria o mesmo que os outras milhares de viúvas, uma velhice tranquila cheia de memórias do passado.

Em vez disso, Ruth Flowers decidiu tornar-se DJ aos 68 anos. Seus amigos pensaram que ela tinha enlouquecido pela dor da perda. Grande parte de sua vida foi dedicada ao estudo de obras literárias de Charles Dickens. Hoje, aos 72 anos, Ruth Flowers dá vários concertos por mês, tocando nos melhores clubes do mundo e gasta parte de sua vida em aviões, viajando de um lado para o outro do mundo.

Nos últimos dois anos, Flowers ffez mais de 80 performances. Londres, Ibiza, Paris, Nova York, Los Angeles, Tóquio. Ele voou em quase todo o mundo, desde os Estados Unidos ao Japão, da Rússia à Singapura.

Ruth insiste que voar constantemente não a faz sentir-se cansada. Ela é capaz de viajar a uma cidade à noite, após ter se apresentado em um clube e voltar na mesma noite, para a sua  próxima apresentação no resto do mundo. “Eu amo aeroportos”, diz ela. “Gosto de estar andando por eles de loja em loja e ver as pessoas.”

Apesar de todo o brilho e glamour de vida dos clubes, discotecas e festas, Ruth Flowers não voltou a casar. Quando perguntado por que, ela respondeu: “Eu amei meu marido e não quero estragar as memórias.”

yvonneYvonne Dowlen – Quando Yvonne Dowlen estava com 80 anos, ela sofreu um acidente de carro, o médico disse-lhe que deveria pendurar seus patins a seus patins e considerar encerrada sua carreira de atleta. Hoje, aos 86 anos, Yvonne patina no gelo como antes e participa de concursos. “Quando estou de mau humor, eu olho para meus contemporâneos com cilindros de oxigênio, então coloco os patins e abro um grande sorriso.”

Quando Yvonne Dowlen não competi, ela se dedica a ensinar as crianças tudo sobre patinação artística. A principal coisa: ela ensina “seus pintinhos” para serem eles mesmos, sem se preocupar com o que as pessoas pensam em torno deles. “Quem anda apoiado em alguém nunca pode andar graciosamente.” Diz.

Quando os médicos a proibiram de patinar depois do acidente, Yvonne aceitou a proibição, mas em suas próprias palavras, “era como acenar uma bandeira vermelha na frente de um touro.”Ela fez sua reabilitação até que pudesse estar em seus patins novamente e fez “ um axel de uma volta e meia” (tipo de salto com giro) para seus médicos verem.

Yvonne converteu-se em paginadora artística há mais de 70 anos, mas nunca nunca teve tanta satisfação em patinar como agora. “Para mim, é muito importante estar sobre o gelo”, ela explica modestamente, porque não só “estar sobre o gelo.” Ela realiza giros, e outras sequências complicadas. E assim, os espectadores e o júri rompem em aplausos em cada concurso.

Todos os dias, Yvonne Dowlen dedica  uma hora em treinamento. É certo que o segredo de sua saúde está neste treinamento, em tomar suas vitaminas e o fato de que ela está fazendo o que realmente ama. “Se você gosta de tudo o que faz e dá o seu melhor, você é feliz. Mas se você não está se divertindo ou não sente a paz, melhor fazer outra coisa. “

robert-ciclistaRobert Marchand – Robert Marchand, um ex-piloto francês de 102 anos, superou seu próprio recorde do tempo na pista de ciclismo recentemente inaugurado em Saint Quentin en Yvelines. Marchand pilotou 2,5 km mais do que  quando tinha acabado de completar 100 anos.

O novo tempo recorde para a categoria de mais de 100 UCI foi criado especialmente para Marchand, é atualmente 26 quilómetros e 927 metros.

Marchand nasceu em 1911 na cidade francesa de Amiens. Ele começou amontar uma bicicleta quando tinha 14 anos em 1925, mas durante sua longa história de vida e ocupações, trabalho, teve que deixar. Retomou quando ele tinha 67 anos de idade. Quando estava com 89 anos, ele terminou a corrida de 600 quilómetros entre Bordeaux e Paris em 36 horas.

Ele conquistou seu primeiro record em seu 100º aniversário em 2012 percorrendo 24 quilômetros e 251 metros em Aigle. Dois anos mais tarde, ele pedalou 10% mais rápido do que aos 100 anos. Robert Marchand, ciclista. 102 anos !!! 

Oveterano francês, que viveu duas guerras mundiais na França também detém o recorde de 100 quilômetros em sua faixa etária. Na pista em Lyon, ele fez 100 km em quatro horas e 15 minutos, com uma média de pouco mais de 23 quilômetros por hora. “Com doping poderia ter sido mais rápido”, brincou Marchand. “Mas não há doping. Tenho apenas água com um pouco de mel na minha garrafa. “

skateLloyd Kahn – Aos 65 anos, Lloyd Kahn decidiu que era hora de experimentar um skate. Na primeira vez em sua vida tentou equilibrar-se em uma tábua e  imediatamente caiu e feriu a mão. A partir dessa experiência, ele decidiu que tinha de usar equipamento completo de proteção: joelheiras, cotoveleiras, capacete, protetores de pulso. Ele não iria entregar-se.

Skateboarder Lloyd Kahn, 78, aos 65 anos decidiu que era hora de ele ser o skate

Ele continuou a patinar. Agora, aos 78, Lloyd gasta quase todos os dias patinando pelaara a sua cidade costeira de Bolinas em seu skate. Ele escolhe  as ruas com curvas longas e declínio gradual e suave.

“Eu não faço nenhum truque especial. Eu não ando como os adolescentes “, diz Lloyd Kahn. “Eu tento não ir muito rápido, para que  eu sempre possa saltar e apoiar meus pés. Portanto, no meu caso, não há nada extremo sobre o assunto, eu só gosto de patinar em meu skate. “

Lloyd Kahn, 78 anos (Bolinas, Califórnia) faz o que quer!

Fonte: https://www.alzheimeruniversal.eu/  EMm2016/04/15/   Imagem: olhares.uol.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *