Onde vamos morar? Desafios e possibilidades

Onde você vai morar quando ficar velho? A sua casa vai atender as suas necessidades quando estiver com 70 ou 80 anos? Quais são os desafios e as possibilidades para uma moradia sustentável e inclusiva para pessoas idosas?

Alternativas e possibilidades de moradias para pessoas idosas foram apresentadas em workshop promovido pelo OLHE – Observatório da Longevidade junto com a República dos Idosos de Santos, Vila dos Idosos – Pari, Condomínio Cidade Madura/PB,  Empresa Desenho Universal e o Residencial Santa Catarina.

Onde você vai morar quando ficar velho? A sua casa vai atender as suas necessidades quando estiver com 70 ou 80 anos? Quais são os desafios e as possibilidades para uma moradia sustentável e inclusiva para pessoas idosas?

Comentário do Blog: Este tema já foi abordado aqui no Blog, inclusive estão aqui postados os artigos: Condomínio para idosos – Cidade Madura no dia 19/01/2016 e República para Idosos em 16/07/2016. É oportuno reconhecer a complexidade  do tema e que exige várias discussões para que seja definido forma e formas de moradia e construção das mesmas. Há que ser considerado o social, o econômico, o familiar e os serviços, entre outros fatores.

 O Observatório da Longevidade Humana e Envelhecimento (Olhe), no desenvolvimento da sua missão de “envelhecer com futuro” realizou em 14/08 passado o Workshop com o tema “Onde vamos morar? Alternativas e possibilidades de moradias para pessoas idosas”. O objetivo foi dialogar com a sociedade, e profissionais que atuam na área do envelhecimento, sobre as possibilidades existentes, ou futuras, de receber as pessoas idosas que se tornam, cada vez mais, presentes na vida social, em nossas cidades.

O encontro teve como mediador o vice-presidente do Olhe, o psicólogo Carlos Limas, e contou com a participação de Celiana Nunes – Gestora da República dos Idosos de Santos; Cleusa A. Jesus – Gestora da Vila dos Idosos – Pari / Secretaria de Habitação do Município de São Paulo; Fabrício Oliveira, psicólogo do Condomínio Cidade Madura – Paraíba; Fábio Bianchi – Desenho Universal. Engenheiro e proprietário da Incorporadora J. Bianchi de Mogi das Cruzes, que relataram suas experiências na área.

RepúblicaRepública de Santos – A gestora Celiana Nunes apresentou o serviço, implantado em 1995, destinado a idosos independentes, sem família, com 10 moradores por casa, a maioria mulheres, baixa escolaridade, podem decorar seu quarto.  http://www.vivaavelhice.com.br/2016/07/1837.html

Segundo ela, uma das dificuldades encontradas na ampliação do serviço é conseguir imóveis com acessibilidade na cidade, pois os imóveis grandes, que podem acolher a República, são antigos e, na maior parte, sobrados com escadas.

vila-dos-idosos-pariVila dos Idosos – Pari – Parte dos projetos da Secretaria de Habitação do Município de São Paulo foi apresentado por sua gestora Cleusa A. Jesus como um serviço destinado a idosos independentes, de baixa renda (até 3 salários mínimos) que vivem em um condomínio fechado, em regime de locação social. O idoso pode residir com algum familiar ou cuidador. Existe outra unidade no centro de São Paulo, denominada ‘Recanto dos Artistas’,  destinada a idosos artistas, localizada na Av. São João, esquina com Av. Ipiranga, onde originalmente era o Hotel Cineasta. http://www.vigliecca.com.br/pt-BR/projects/elderly-housing ou http://revistas.pucsp.br/index.php/kairos/article/viewFile/6922/5014

silvioerosaCondomínio Cidade Madura – Iniciativa do Governo do Estado da Paraíba, pelas Secretarias de Desenvolvimento Social e Habitação, apresentado pelo psicólogo Fabrício Oliveira, oferece serviço destinado a idosos independentes, com renda até 5 salários mínimos,  responsáveis pelas despesas de luz, gás, agua e telefone de sua unidade, e de um valor mensal de R$ 50,00 para manutenção do condomínio. Não há pagamento de aluguel. Funciona como um condomínio fechado com 40 residências de 54 m2 cada, com um idoso ou casal por casa, sendo que outros familiares não são admitidos. Caso fiquem dependentes é realizado um trabalho de aproximadamente três meses para que seja transferido para uma ILPI. A casa não é do idoso, em caso de falecimento é aberta a vaga a outro que esteja na lista de espera. Até o momento são três condomínios já implantados no estado, outro deve ser inaugurado em breve.  http://www.vivaavelhice.com.br/2016/01/condominio-para-idosos-cidade-madura.html

banheiro-universalMercado Imobiliário: oportunidades e desafios  – Neste tópico, o engenheiro e proprietário da Incorporadora J. Bianchi, de Mogi das Cruzes, apresentou o projeto Desenho Universal que teve origem na percepção da mudança ocorrida no mercado, devida ao envelhecimento populacional, na busca de imóveis menores e com itens de segurança. Neste conceito os apartamentos possuem portas mais largas, interruptores mais altos, e outros itens de acessibilidade. Afirma que o acompanhamento da obra é importante a fim de que os funcionários respeitem as características próprias a um imóvel com itens de segurança suplementares.

Os desafios na implantação do projeto são: adequar a construção com acessibilidade sem aumentar o custo do imóvel e manter a beleza; não caracterizar o imóvel com o termo ‘residência para idosos’ – percebido como estigma ainda presente na sociedade. Neste sentido citou o exemplo de uma praça, em Mogi das Cruzes, onde  idosos vão fazer caminhadas, ficou conhecida como “Praça dos Enfartados”. https://rodriguezarq.wordpress.com/page/14/

residencial_-santa-catarinaResidencial Santa Catarina – Maria Norma Arauco de Claque, apresentou brevemente algumas das características do Residencial que fica próximo a Av. Paulista, possui 121 unidades no formato de flat (de 38 a 42 m2) – recentemente modernizadas – oferecendo atividades de convívio, oficinas e passeios. Mantém uma ocupação entre 85 a 90%, e não tendo caráter filantrópico. O Residencial Santa Catarina é o primeiro flat planejado para a terceira idade e conta com serviços e profissionais de saúde com alto nível de competência exigida por esta categoria. http://www.residencialsantacatarina.com.br/residencial.html

Debate – As questões colocadas levantaram os diferentes problemas inerentes a estes serviços, entre as quais: as exigências da Vigilância Sanitária, na questão da acessibilidade; o relacionamento entre idosos residentes e resolução de possíveis conflitos; a possibilidade de parcerias entre a prefeitura e a iniciativa privada para ampliação do projeto Vila de Idosos, já que existem imóveis abandonados no centro da cidade, que já estão sendo avaliados pela Secretaria para a instalação de residências (não apenas para idosos).

Em relação à construção dos imóveis adaptados foram lembrados outros detalhes, como a de facilitar a remoção do idoso do domicílio, em caso de adoecimento ou falecimento, problemas que podem surgir. Foi contestada a afirmação do representante do Condomínio Cidade Madura – de João Pessoa, que apresentou o modelo de serviço como único no Brasil.

Muitas questões ficaram sem resposta por conta do horário, indicando que o tema, pela sua repercussão e importância, deve ser retomado em futuro Workshop que lance novos olhares sobre este importante tema.

O evento foi viabilizado graças às parcerias que o Olhe estabeleceu com a empresa Bigfral e a Associação dos Bancários Aposentados do Estado de São Paulo, que cedeu o espaço, e que têm contribuído para que discussões importantes nas temáticas do envelhecimento se realizem.

Fonte: http://www.portaldoenvelhecimento.com/ Por  Vera Brandão – Pedagoga (USP); Associada fundadora do Olhe – Observatório da Longevidade Humana e Envelhecimento.  Email: veratordinobrandao@hotmail.com

Imagem: http://atualidadesimobiliarias.blogspot.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *