“A Despedida” ganhou quatro Kikitos

 Filme brasileiro ‘A Despedida’ mostra dignidade e limites da velhice

Marcelo Galvão trata o fim da vida com verdade e delicadeza. Longa-metragem com Nelson Xavier e Juliana Paes será exibido na Mostra Internacional de Cinema com recursos de acessibilidade

Comentário do Blog:  O Filme é de  2014, mas o tema,  o olhar do Diretor,  a dignidade com o tratamento dado aos personagens,  o cuidado com o lançamento tudo continuará sendo atual, vejamos como foi: “O filme será exibido em três sessões da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, todas com o recurso de acessibilidade MovieReading, um novo aplicativo de legendas e audiodescrição voltado para pessoas com deficiência visual, auditiva e certos tipos de deficiência intelectual.”  O filme é atemporal.

Almirante (Nelson Xavier) tem 92 anos e as limitações que naturalmente vêm com a idade. Por isso, há muito tempo ele deixou de ir ver Morena (Juliana Paes), sua amante e o maior amor de sua vida. Um dia, ao acordar, o simples fato de estar com a fralda geriátrica limpa lhe traz felicidade e entusiasmo o suficiente para tentar ultrapassar sozinho as barreiras físicas e sair para resolver pendências, como a conta do bar, a relação com seu melhor amigo e com sua Morena.

A Despedida, de Marcelo Galvão, é baseado na história do avô do diretor, que teve uma amante bem mais nova durante muitos anos até o fim da vida. 

A paixão e a idade

Tudo o que o personagem do filme quer é juntar suas últimas forças para reviver prazeres de seu passado debon vivant e partir em paz. Depois de muito tempo fazendo tudo com ajuda, ele toma banho e se veste sozinho – sequência que demora e causa agonia, especialmente quando ele tenta calçar os sapatos. O insistente som abafado que incomoda nos primeiros minutos desaparece quando o personagem coloca o aparelho de surdez.

Para ele, o maior problema é ter plena consciência de sua fragilidade. Sua cabeça e sua libido contrastam fortemente com o corpo enrugado e debilitado. Mesmo assim, a visita a sua Morena é intensa e cheia de carinho. O filme quebra preconceitos ao mostrar com delicadeza o amor entre um idoso e uma mulher 55 anos mais jovem. A generosidade com que ela trata Almirante é tocante: para que ele não se sinta humilhado, ela finge não ver a dificuldade que ele tem de sair da banheira, por exemplo.

Ao mostrar a vulnerabilidade de Almirante, Galvão evidencia a fragilidade da nossa vida e do nosso corpo, do qual aos poucos vamos perdendo o controle. Mas mais que isso, ele confirma, sem ser piegas, o chavão de que o amor não tem idade.

A Despedida ganhou o Kikito de melhor diretor para Marcelo Galvão, melhor ator para Nelson Xavier, melhor atriz para Juliana Paes e melhor fotografia para Eduardo Makino.

Fonte: http://www.redebrasilatual.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *