O cuidador e a síndrome do esgotamento profissional

7 Signos de Burnout en el Cuidador

Comentário do Blog: em sua página o médico Drauzio Varela nos diz que a Síndrome de Burnout é frequente em “Profissionais das áreas de educação, saúde, assistência social, recursos humanos, agentes penitenciários, bombeiros, policiais e mulheres que enfrentam dupla jornada correm risco maior de desenvolver o transtorno.”  Tradução livre para o artigo.

Em sendo você o cuidador principal para alguém com doença de Alzheimer ou outras demências, você pode ter experimentado a honra e o privilégio de prestar cuidados para quem você ama. No entanto, também é possível que as responsabilidades e desafios dessa tarefa o tenha, muitas vezes, deprimido.

O progresso de demências como a doença de Alzheimer envolve alterações mentais, emocionais e físicas, para um cuidador/a e pode ser difícil lidar com essa realidade. Na verdade, a própria natureza do cuidar de alguém em tempo integral pode levar à frustração.

Mesmo que você ame infinitamente a pessoa que você cuida às vezes não é o suficiente para administrar a realidade. Frustração e até mesmo abuso de cuidadores de pessoas com Alzheimer pode ocorrer e de fato muitas vezes acontece, quando alguém está tentando fazer tudo e não sabe mais o que fazer.

Auto avaliação – Crie um tempo para parar, mesmo por alguns minutos e avaliar como você está fazendo. Você está lidando bem com esse fato e equilibrando as diferentes necessidades de sua vida? Ou você está correndo no vazio, a ponto de bater no fundo do poço?

Isso soa familiar? – Alguma vez você sentiu que, se ele/ela discute com você ou repete a mesma pergunta de novo, e que você vai perder a paciência? Ou que você chegou até aqui em seu relacionamento com ela, e está pensando em divórcio? E como admitir esses sentimentos aparentemente horríveis em relação a alguém quando a pessoa que você está prestes a perder é o seu cônjuge, pai ou amigo querido?

Analise quantos desses sinais de esgotamento você tem?

  1. Você se sente mais irritação, frustração ou raiva por coisas pequenas.
  2. Os detalhes, a empatia, o carinho, enquanto cuida, estão desaparecendo e está sempre apressado(a).
  3. Levanta sua voz com mais frequência ultimamente. Logo depois, você se sente culpado e com remorso.
  4. Com frequência você pula aspectos dos cuidados e que são importantes para seu bem-estar, porque eles são muito difícil ou demorado.
  5. Sua própria saúde mental está em declínio. Talvez você esteja lutando com ansiedade crescente, depressão ou insônia.
  6. Sua própria saúde física está em declínio. Por exemplo, você precisou aumentar a sua para pressão alta ou tenha se ferido ao tentar transferir a pessoa cuidada para uma cadeira de rodas.
  7. Sua própria família está passando por grandes mudanças, e os cuidados para com a pessoa cuidada está fragmentando sua família.

Resultados de autoavaliação – Se você raramente experimenta estes sinais, provavelmente você está fazendo um bom trabalho equilibrando suas próprias necessidades e as da pessoa sob os seus cuidados. Você deve prestar atenção aos sinais de sobrecarga para que você possa continuar a prestar excelente atendimento.

Se estes sinais são muitas vezes a regra e não a exceção, é hora de agir. Fundamentalmente, o seu próprio bem-estar deve ser uma prioridade para ter sucesso no cuidado dos outros. Isso não significa que suas necessidades sempre terão precedência sobre os da pessoa cuidada. No entanto, isso significa que você precisa fazer algumas coisas de forma diferente ou não pode continuar por muito tempo no papel de cuidador/a principal.

O que fazer se você está cansado(a)

  • Peça ajuda. Talvez haja outro membro da família que você pode pedir para se envolver mais, ou talvez você possa obter alguns voluntários de uma igreja ou outro grupo social para compartilhar o tempo com a pessoa cuidada.
  • Considere a contratação de ajuda em casa, como uma empresa de cuidados de saúde em casa, que irá fornecer assistência domiciliar.
  • Reserve tempo para você. Você pode mesmo ter que programá-lo no seu calendário.
  • Dê-se permissão para reconhecer os desafios de ser um cuidador/a e decidir o que você vai manter na sua lista de afazeres.
  • Considere participar de um grupo de apoio para cuidadores de pessoas com demência. Verifique se existe a Associação de Alzheimer ou de um centro local em lugares próximos. Às vezes, ele apenas ajuda a saber que você não está sozinho,
  • Certifique-se de que você ainda é capaz de atender às necessidades da pessoa sob seu cuidado, em casa. Por exemplo, se você tem “escapado” de casa mais de uma vez, ou por ter feridas em sua pele, você acha que é muito difícil de movê-lo fisicamente ou sofre sempre que precisa fazer o asseio bem, estes são sinais claros de que ele e você precisam de mais apoio.
  • Você ainda se sente vazio, fraquejando como um cuidador/a? Você precisa pensar em um breve período de descanso ou até mesmo aceitar o apoio oferecido pelos centros dia ou residências especializadas. Embora isso provavelmente não seja a sua primeira escolha (certamente é a opção que você quer evitar a todo o custo), outros têm encontrado uma grande ajuda nesses locais que fornecem um atendimento profissional e amoroso.

A importância de se manter reabastecido – Uma maneira de pensar sobre a sua energia física e emocional é imaginar um tanque de gás. Seu objetivo como um cuidador/a é manter seus olhos sobre este tanque de combustível e seu indicador para não acabar vazio.

 Encha seu tanque de energia emocional e física regularmente, isso implica em  ter que parar de fazer algo. Lembre-se que a lista de prioridades em sua agenda de atividades. Ela vai trazer benefícios para você e para a pessoa de quem cuida.

Nuria Carcavilla , psicólogo especialista em demências

Referências :

Fisher Center For Research Foundation de Alzheimer. Qual é o papel da família e do cuidador no tratamento de Alzheimer?  http://www.alzinfo.org/treatment-care/caregiving

US National Institutes of Health. National Institute on Aging. Cuidar de alguém com doença de Alzheimer.

http://nihseniorhealth.gov/alzheimerscare/caregiversupport/02.ht

Fonte: http://www.qmayor.com/psicologia/7-signos-de-burnout-en-el-cuidador/ Imagem: Hagah

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *