“Não penso na velhice, tenho medo que a velhice pense em mim”- Mia Couto

Comentário do Blog: É um prazer imenso trazer Mia Couto ao nosso convívio, ou seja, para nós do Viva a Velhice e daqui para o mundo. Sou uma verdadeira descendente das origens do mundo: a grande Mãe África. Morro de amores por Moçambique incluindo Mia Couto, escritor moçambicano notável por sua prosa poética, cuja força das palavras faz ressurgir em nós o ímpeto de sonhar, nasceu e foi escolarizado na Beira, cidade capital da província de Sofala, em Moçambique – África. 

Sobre o tempo Mia Couto pode nos contar “Sou feliz só por preguiça. A infelicidade dá uma trabalheira pior que doença: é preciso entrar e sair dela, afastar os que nos querem consolar, aceitar pêsames por uma porção da alma que nem chegou a falecer. – Levanta, ó dono das preguiças. É o mando de minha vizinha, a mulata Dona Luarmina.”

Mia Couto, escritor moçambicando mundialmente conhecido, sempre aborda a temática do tempo. Seja em entrevistas ou em seus livros, ele sempre afirma que o tempo, que as idades devem ser encaradas como travessias.

Neste curto vídeo abaixo, afirma Mia Couto que quer atravessar o tempo de modo distraído. Abaixo, um poema no qual ele discorre sobre essa mesma temática: a idade e o tempo.

O espelho
Esse que em mim envelhece
assomou ao espelho
a tentar mostrar que sou eu.

Os outros de mim,
fingindo desconhecer a imagem,
deixaram-me, a sós, perplexo,
com meu súbito reflexo.

A idade é isto: o peso da luz
com que nos vemos.
Maputo, 2006

Vejam essa breve e interessante fala de Mia Couto:

Fonte: http://www.revistapazes.com/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *