OMS recomenda cortar pela metade consumo de açúcar

As recomendações da agência visam a reduzir a quantidade de doenças não transmissíveis, como a obesidade. Foto: OMS/Christopher Black

Novos estudos demonstram que a redução do consumo de açúcar para menos de 5% – seis colheres ou 25 gramas diárias – proprociona benefícios adicionais para a saúde.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou  em 2015 recomendações de redução do consumo de açúcar para que adultos e crianças tenham uma vida mais saudável e previnam doenças.

Entre as sugestões da agência estão a educação dos consumidores, a regularização de vendas de comidas e bebidas não alcoólicas contendo grande quantidade de açúcar e políticas fiscais dirigidas para estes produtos.

A Organização Mundial de Saúde ( OMS ) diz que a ingestão de açúcares “livres” – monossacarídeos (como glicose, frutose) e dissacarídeos (como sacarose ou açúcar de mesa) – deve constituir menos de 10% da ingestão diária de energia, enquanto uma redução abaixo de cinco por cento do consumo de energia por dia proporcionaria benefícios adicionais.

“Temos evidências sólidas de que manter a ingestão de açúcares livres em menos de 10 por cento da ingestão total de energia reduz o risco de sobrepeso, obesidade e cárie dentária” , disse o Dr. Francesco Branca, diretor do Departamento de Nutrição para Saúde e Desenvolvimento da OMS . “Fazer mudanças de políticas para apoiar isso será fundamental se os países estiverem em conformidade com seus compromissos para reduzir o peso das doenças não transmissíveis”.

As recomendações da OMS são baseadas em evidências que mostram que os adultos que consomem menos açúcar têm menor peso corporal e que o aumento da quantidade de açúcares na dieta está associado a um aumento de peso. Também mostra que as crianças com a maior ingestão de bebidas açucaradas são mais propensas a sobrepeso ou obesidade do que crianças com baixa ingestão de bebidas açucaradas.

Em todo o mundo, a ingestão de açúcar varia, com o consumo de adultos na Europa, que varia de cerca de 7-8 por cento dos países de energia total como a Hungria e a Noruega, para 16-17 por cento em países como a Espanha e o Reino Unido.

A ingestão de açúcar pelas crianças é muito maior, de 12% em países como Dinamarca, Eslovênia e Suécia, para quase 25% em Portugal, enquanto a configuração também pode resultar em variações. A ingestão em comunidades rurais sul-africanas foi de 7,5 por cento, enquanto que para a população urbana o número foi de 10,3 por cento.

A força e a qualidade das evidências de apoio são tais que a OMS diz que podem ser adotadas como políticas na maioria das situações e podem ser usadas para desenvolver medidas para diminuir a ingestão de açúcares livres, através de intervenções de saúde pública, como rotulagem de alimentos e nutrição, educação do consumidor, regulação da comercialização de alimentos e bebidas não alcoólicas com alto teor de açúcares livres e políticas fiscais direcionadas a alimentos e bebidas com alto teor de açúcares livres.

A agência primeiro fez a recomendação de reduzir a ingestão de açúcares livres para menos de 10% da ingestão diária total de energia em 1989, com uma consulta conjunta OMS / FAO em 2002, elaborando ainda mais a convocação. As diretrizes atualizadas recomendam a redução de açúcares livres abaixo da marca de cinco por cento, se possível.

As novas diretrizes não se aplicam aos açúcares em frutas e vegetais frescos e açúcares presentes naturalmente no leite, porque não há evidências relatadas de efeitos adversos ao consumo desses açúcares, mas sim aos que são adicionados aos alimentos e bebidas pelo fabricante, cozinham ou consumidor, e açúcares presentes naturalmente em mel, xaropes, sucos de frutas e concentrados de suco de frutas.

Muitos são “escondidos” em alimentos processados ​​que geralmente não são vistos como doces. Por exemplo, 1 colher de sopa de ketchup contém cerca de 4 gramas (cerca de 1 colher de chá) de açúcares livres. Uma única lata de refrigerante açucarado contém até 40 gramas (cerca de 10 colheres de chá) de açúcares livres.

A atualização da diretriz sobre a ingestão de açúcares gratuitos faz parte dos esforços contínuos da OMS para atualizar os objetivos dietéticos existentes para prevenir doenças não transmissíveis.

As diretrizes de açúcares devem ser usadas em conjunto com outras diretrizes de nutrientes e metas dietéticas, em particular as relacionadas a gorduras e ácidos graxos, incluindo gorduras saturadas e gorduras trans.


O Documento “Diretriz …. ” está em http://www.paho.org/bra/

Fonte do artigo: http://www.un.org/  em 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *