Quais são os hábitos saudáveis ​​das pessoas longevas?

Imagem: Dona Lucimar pertence ao povo Huni Kui (Kaxinawá) do Acre.

A longevidade extrema positiva, ou seja, ultrapassar uma centena de anos em boas condições físicas, mentais e sociais, é um privilégio extraordinário que poucas pessoas podem alcançar.

Se as pessoas alcançam essas idades avançadas, é porque elas têm condições ou circunstâncias muito favoráveis ​​e propícias.

Comentário do Blog; O autor do  artigo  o médico gerontólogo Victor López García, menciona a brasileira Maria Lucimar Pereira como uma das pessoas mais idosas a qual apresentamos: “A índia acreana Maria Lucimar Pereira é a mulher mais velha do mundo. Nascida no dia 3 de setembro de 1890, a longeva senhora, que foi batizada na medicina tradicional da floresta, tem 124 anos de idade. De acordo com parentes, Lucimar é viúva, teve 10 filhos (apenas três vivos) e 22 netos. Apesar de conhecer a “língua do branco”, ela se expressa na língua Hã Txá Kui, tronco linguístico Pano. “A dona Lucimar simboliza a resistência”, assim concebe o coordenador do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Lindomar Padilha.

A matriarca pertence ao povo Huni Kui (Kaxinawá) e vive na aldeia Henê Nixia Namakia (terra indígena do Médio Enviara), localizada no antigo Seringal Curralinho, em Feijó. Segundo um de seus sobrinhos, Edvaldo Domingos Huni Kui, ela é bem lúcida, cria galinhas, vai para o roçado, carrega baldes d’água, mas é tímida. Lucimar foi vítima da colonização seringalista conhecida como ‘Correria’, que consistia em capturar índios à força para eles extraírem borracha.” Fonte: www.ac24horas.com/2015/05/24

Mas é bom considerar quando os gerontólogos dizem que os centenários estão condicionados por estes fatores positivos: uma genética e epigenética favoráveis, um estilo de vida e comportamento saudáveis ​​e um ambiente físico e natural favorável .

Também é observado que muitas dessas pessoas tem muita vitalidade, dotadas de senso de humor e com grande inclinação a prestar serviços à família e à comunidade.

Nesse último sentido, são as pessoas idosas que esperam  a saída de um novo sol para voltar a trabalhar ou  ter novas ocupações. Embora muitas dessas pessoas vivam em áreas remotas do mundo relativamente distante das cidades, hoje em dia, pode-se afirmar que qualquer um pode chegar a ser centenário em qualquer país desenvolvido do mundo graças aos grandes avanços de saneamento e medicina.

Pode-se dizer, então, que cada centenário pode chegar a essa idade avançada por seu próprio caminho e por suas próprias circunstâncias. Embora, sim, é verdade, haja ocorrência, como eu disse, algumas características coincidentes.

As pessoas mais longevas do mundo

Para ilustrar este artigo, vou mencionar a seguir , alguns casos de superlongevas que estão bem documentados:

Assim, a francesa Jeanne Calment, que morreu em 4 de agosto de 1977, viveu 122 anos e 164 dias até sua morte. Embora A Genesis do Antigo Testamento afirme que Matuslém atingiu a idade de 969 anos, essa francesa parece que até agora, quebrou o recorde mundial de longevidade extrema.  Calment   praticou esgrima, andou de bicicleta até completar cem anos e atribuiu sua longa vida ao consumo de azeite e chocolate.

Sara DeRemer Knauss , americana, morreu em Allentown, Pensilvânia, horas antes do início do ano 2000, com  119 anos e 97 dias de idade. Era uma dona de casa. Sua filha, Catherine, disse alguns meses antes da morte: “Minha mãe é uma mulher muito calma e nada a perturba. Isso é, penso eu, a razão pela qual ela viveu tanto tempo “.

Finalmente, outro caso de “supercentenária” devidamente documentado é o de María Lucimar Pereira , uma indígena brasileira encontrada na Amazônia pela ONG “Survival international” – defensora dos povos indígenas. Não há registro de sua morte.

 Vive ao oeste da Amazônia brasileira, não come sal, açúcar branco ou alimentos refinados. Diz-se que – entre outros alimentos saudáveis ​​-   normalmente estão o peixe, a mandioca e banana seca . Ocasionalmente, nas celebrações, ela coma carne de caça . Aos 121 anos de idade leva uma vida saudável e ativa e mantém uma boa coesão social com seus parentes e vizinhos.

Como um resumo e conclusão de tudo o que precede, podemos dizer que alcançar essa longevidade extrema em condições relativamente boas oferece tantas nuances e peculiaridades pessoais que, embora muito conhecidas, a própria gerontologia ainda considera essas vidas dilatadas como um mistério.

 

Victor López García. Gerontologista e vice-presidente do UDP Madrid   Fonte: https://www.mayoresudp.org/   em 16/11/2017

Imagem: www.ac24horas.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *