Pular para o conteúdo principal

Mitos sobre o envelhecimento


Não adianta negar: todo mundo vai envelhecer.

E inevitavelmente, com o passar do tempo, nosso organismo sofre alterações que mudam o ciclo de vida e fazem com que sejam necessárias algumas adaptações. Mas antes de tomar qualquer providência, é importante saber o que é crendice popular e o que é verdade acerca do envelhecimento.

A especialista no assunto, Eva Bettine, que é gerontóloga da Universidade de São Paulo (USP) e consultora do Método SUPERA Ginástica para o Cérebro conta que existem algumas frases sobre idosos que vão sendo repetidas ao longo do tempo e são “naturalizadas”, fazendo com que as pessoas não se questionem a respeito. “Mas não é bem assim”, diz ela.

Confira abaixo as frases apontadas como mais comuns pela especialista e os motivos pelos quais não se deve crer nelas e leva-las adiante.

1 – A velhice começa aos 60 anos - Este é um equívoco muito comum e a explicação é muito simples: na gerontologia (especialidade médica que estuda os processos de envelhecimento), se acredita que nós começamos a envelhecer a partir do momento da concepção. Ou seja: uma criança que nasceu é mais velha que um feto dentro da barriga da mãe, por exemplo. “Senão aconteceria assim: você dorme aos 59, novinho em folha, faz 60 anos e acorda velho. Isso não é verdade, tudo se trata de um processo”, explica Eva.

Segundo a especialista, houve uma época em que as pessoas não falavam em idade. Depois, foi necessário separar dessa forma por questões sociais, como maioridade. Mais tarde, categorizaram as gerações por motivos legais. Por isso, nos países emergentes, a base é 60 anos. Mas a idade depende de diversos fatores, afinal, nem todas as pessoas de 60 anos são iguais umas às outras, certo?

2 – Velhice = doenças - Este mito está tão enraizado no pensamento da sociedade atualmente que se você tiver qualquer doença depois dos 60 anos, vai pensar “é porque estou ficando velho!” e, na verdade, não é bem assim.
Eva exemplifica: se uma pessoa é hipertensa e toma os medicamentos prescritos para isso, sua pressão arterial vai estar dentro de uma faixa considerada saudável. Logo, podemos afirmar que ela tem uma doença controlada. Então do ponto de vista da gerontologia, é uma pessoa com saúde. Muitas pesquisas apontam que existem milhares de idosos com até 85 anos perfeitamente saudáveis. Então é um mito.

3 – A pessoa idosa volta a ser criança - É comum que algumas pessoas mais velhas precisem de ajuda para se locomover, se alimentar, realizar algumas atividades diárias… Mas isso não nos autoriza a afirmar que se trata-se de crianças. Termos no diminutivo como “vovozinha, queridinha, fragilzinho, idosinho” podem representar uma fala carinhosa (tudo depende da intenção do locutor), mas muitas vezes denotam um grande preconceito em função da idade.
A especialista conta que já presenciou pessoas apertando bochechas de idosos como se fossem crianças, acompanhadas de falas como “senta aqui nessa cadeirinha”. Em uma situação como essa, a pessoa mais velha se sente diminuída assim como o termo que está sendo usado. Então é melhor evitar.

4 – A velhice é a melhor idade - Não necessariamente. Na gerontologia, acredita-se que a melhor idade pode ser qualquer uma da vida em que estejamos nos sentindo muito bem. Ao afirmarmos que “a velhice é a melhor idade” para um idoso com problemas como dificuldade para ouvir, enxergar ou andar, podemos ofender.
Este mito ainda enfraquece o que a sociedade precisa entender sobre a idade mais avançada. Pensamentos do tipo “que ótimo, já que estão na melhor idade, não precisamos fazer nada” precisam ser extintos.

5 – Toda pessoa mais velha tem problema de memória - Ao reproduzir este mito, nós diminuímos a capacidade da pessoa idosa e ela, ao acreditar, se sente incapaz também. Segundo Eva, hoje existem evidências científicas de que nós aprendemos até o fim da vida. Logo, a velhice “não é desculpa” para afirmar que não se aprende mais. Atividades como aprender um novo idioma ou praticar exercícios para o cérebro são as melhores formas de manter a cognição preservada.

6 – Velhice = sabedoria - Segundo Eva, pessoas sábias são aquelas que acumularam sabedoria, compreenderam fatos sobre a vida e conseguem passar isso adiante como ensinamento sem diminuir ninguém. E nós não podemos afirmar que uma pessoa se tornou mais sábia ao longo do tempo porque tudo depende do curso de vida – quanto ela se dedicou a aprender, ajudou e conheceu pessoas… Ou seja: é importante não generalizar. Ainda que seja um mito “positivo”, a idade não pode ser vista cegamente como um sinônimo para sabedoria.

Fonte: http://metodosupera.com.br/   Em  21/07/2017  Por Eva Bettine, gerontóloga da USP e consultora do Método SUPERA    ImagemPeregrino Oswaldo Buzzo

 Comentário do Blog: Complementando o tema, inserimos este vídeo  com Roteiro, Produção e Finalização da Área Técnica de Saúde do Idoso - PREFEITURA/SP, Assista.

MITOS DO ENVELHECIMENTO tem o principal objetivo de sensibilizar profissionais, cuidadores, familiares, etc sobre as mais diversas formas de violências contra a Pessoa Idosa. (2010) , Gentileza  https://vimeo.com/14023404


 



Comentários

  1. Tomei conhecimento deste blog hoje é por acaso.
    Gostei e pretendo seguir adiante
    Tenho 64 anos e me sinto velha.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Gostei do "acaso" que te trouxe até ao Viva a Velhice. Muita bem vinda!!!!
    Descarta números, 60 anos é tão somente uma referência para políticas públicas.
    Envelhecimento é um processo comum a todos. O importante e fundamental é darmos sentido a esse processo. Manter-se ativo é fundamental. Vá para uma Universidade, para grupos, para eventos, estude, faça cursos do que mais lhe agradar. Cante, dance seja voluntária ...
    É proibido ficar parada, em casa vendo TV ou coisa parecida.
    Te aguardo com boas novas. Abração.

    ResponderExcluir
  3. Mª Solange X. de Brito21 de abril de 2018 16:37

    Conheci hoje esse blog. Achei muito interessante. Envelhecer é a sequência de uma vida, que a todo instante envelhece, porque o tempo não para e a cada dia da nossa vida que passa é menos um dia de vida. Feliz daqueles que podem envelhecer e ter uma história de vida para contar. Envelhecer não é motivo para tristeza, sofrimento e desesperança. O ser humano tem que aprender a envelhecer com saúde, tendo consciência que estamos chegando na etapa final. Jamais deixar que seus sonhos se envelheçam no tempo, sem tentar conquistar todos os nossos objetivos. Enquanto temos um sopro de vida em nossos corpos, temos que aproveitar ao máximo para desfrutar cada minuto de nossas vidas. Respeitar o idoso é respeitar a nós mesmos, porque todos vamos trilhar por esta estrada ela é inevitável . Façamos das nossas vidas, um caminho a seguir com sabedoria e respeito para a velhice. Devemos estender as mãos a essa vida, não ter vergonha desse momento sublime em nossas vidas, ser parceiro de nossos corpos, ser fiéis e parceiros. Envelhecer consciente deste momento indica sabedoria do ser.

    ResponderExcluir
  4. Maria Solange, que bom que você encontrou o Viva a Velhice e gostou dele.
    Concordo plenamente: precisamos aprender a envelhecer.
    Minha dissertação vai tratar desse tema. Te contarei quando terminar.
    Um grande abraço e volte sempre.

    ResponderExcluir
  5. Teresinha Martín Cardozo23 de abril de 2018 16:36

    Estava precisando de algo assim para me orientar e saber levar os problemas que a idade traz.

    ResponderExcluir
  6. Terezinha, que generosas palavras! Espero continuar contribuindo para sua "orientação".
    Volte, mas volte mesmo. espero por Você, um grande abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Dia de São Valentim - dia dos namorados

Enamorados durante mais de 50 anos: A fotógrafa retrata O Amor de Casais Idosos Os meios de comunicação convencionais estão saturados de imagens de casais ou pares jovens e bonitos, mas… aonde estão os velhos amantes que há mais de 50 anos compartem  seu amor e seus vínculos insondáveis? A fotógrafa Lauren Fleishman  capturou com sua câmara os retratos alentadores e ternos de casais cujo amor tem sobrevivido mais de meio século em uma adorável série de fotografias  intitulada “Los Amantes”. A fotógrafa tinha a intenção, em princípio de fotografar 50 casais nada mais, mas rapidamente o projeto chegou ata 100. Descobriu que simplesmente pedindo aos  velhos casais que se beijassem os fazia sentir-se a vontade e recordar seu amor na juventude. A inspiração de Fleishman para começar este projeto surgiu ao ler as cartas de amor que seu avô escreveu para sua avó durante a 2ª Guerra Mundial. Despois que faleceu, o diário ajudou a fotógrafa a compreender o matrimonio de seus avós de uma forma …

Como percebemos a passagem de tempo? - Opinião Minas - Parte 1

Bom dia!  O cuidado responsável e carinhoso marca cada um dos temas que posto aqui e, afirmo a Você. que tenho aprendido e apreendido sempre. Meu grande objetivo é que estejamos, Você e eu, juntos nesta caminhada. Hoje, por exemplo, é com alegria que posto dois vídeos de uma entrevista com Maria de Lourdes Goveia que "poetisa" a filosofia numa interessante conversa sobre o tempo. Maria de Lourdes atualmente é professora da Pontificia Universidade Católica de Minas Gerais. Em 26/06/2015 no Programa opinião Minas começas assim: Já teve aquela sensação de que o tempo está passando cada vez mais rápido? Já estamos quase na metade do ano e a impressão para algumas pessoas é que os últimos meses simplesmente voaram. De onde vem essa sensação? Quem nos ajuda a entender o assunto é Maria de Lourdes Gouveia, doutora em filosofia.

Como percebemos a passagem de tempo? - Opinião Minas - Parte 2

Dias Nacional e Internacional do Idoso

No Brasil, há duas datas para celebrar a pessoa idosa. Hoje, 27 de setembro, é o Dia Nacional do Idoso e no dia 1º. de outubro, o Dia Internacional do Idoso.
A frase de Augusto Cury retrata um belo princípio do envelhecimento ativo.
Fonte: https://www.facebook.com/ilcBR

O Cuidado - excelente palestra