Exercícios para “malhar” o cérebro e outros cuidados

Certamente você já ouviu falar que palavras cruzadas, sudoku, caça-palavras, xadrez, jogos de cartas fazem bem à memória. Não, isso não é conversa de avó. Segundo a neurologista Célia Roesler, membro da Academia Brasileira de Neurologia, tais atividades realmente são uma verdadeira ginástica para o cérebro.

Fazer exercícios de raciocínio pelo menos uma vez ao dia ajuda na renovação das conexões neuronais. É como se o cérebro fosse um músculo e a “malhação” estimulasse o órgão a criar novas ligações entre os neurônios, aumentando o número de estradas pelas quais as informações podem trafegar dentro do cérebro.

“De maneira simplificada, a cada palavra aprendida e descoberta, uma nova “gaveta” de informações é criada no cérebro do indivíduo. E quanto mais esse hábito de passatempos é estimulado, novas células nervosas serão requisitadas e mais sinapses serão feitas. A leitura diária de qualquer coisa, seja uma revista, jornal, um livro, também é um excelente exercício”, destaca a especialista.

O neurologista Ivan Okamoto, do Instituto da Memória da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), complementa dizendo que tais hábitos também ajudam a aumentar a reserva cognitiva. Na prática, isso quer dizer que ele vai chegar, por exemplo, aos 80 anos, e terá um bom “estoque de informações”, o qual irá permitir que o cérebro faça associações sempre que necessário. “Às vezes, a pessoa quer dizer uma palavra, mas não se lembra dela exatamente. Mas se ele tem essa reserva, ele consegue achar um sinônimo rapidamente. Daí a importância dos estímulos.”

Mas que fique bem claro que não são somente esses jogos de passatempo que darão conta de deixá-lo com um cérebro “malhado”. Quando esses jogos viram rotina, o cérebro recorre a conexões nervosas já existentes, em vez de fazer novas. Portanto, outras atividades também devem ser levadas em consideração, como: fazer um curso de qualquer coisa que dê prazer, aprender a tocar um instrumento, dançar. “É importante fazer coisas que estimulem o cérebro para que novas áreas sejam acionadas e treinadas”, sintetiza Okamoto.

Uma dica que o neurologista dá a todos os seus pacientes que se queixam de esquecimentos é o de aprender um novo idioma. Dessa forma, o indivíduo exercitará várias formas de linguagem e de memória. Além disso, o processo de aprendizagem envolve necessidade de concentração e apelo constante à memória.

Dra. Célia Roesler ressalta ainda a importância dos exercícios físicos principalmente os aeróbicos, como corrida, caminhada, bicicleta, para a manutenção da memória. Embora não exercitem o cérebro diretamente, a prática diária ajuda a melhorar o sistema cardiovascular (podem prevenir microinfartos em pequenos vasos no cérebro, o que prejudicaria a oxigenação na região). Além disso, exercícios físicos liberam substâncias que impedem a degeneração neuronal.

Ter uma alimentação saudável também faz parte do jogo. Opte por incluir em sua dieta principalmente uvas e tomate (10 uvas e um tomate diário). Tais alimentos possuem, respectivamente, resveratrol (poderoso antioxidante que melhora a revascularização cerebral) e licopeno (antioxidante que é um estimulante cerebral).

Veja aqui alguns exercícios para afinar sua memória:

1) Faça caminhos diferentes e alternativos quando for ao trabalho;

2) Experimente memorizar aquilo que precisa comprar no supermercado, em vez de elaborar uma lista. Utilize técnicas de memorização ou separe mentalmente os produtos de que precisa;

3) Vista-se de olhos fechados. Quando for pegar uma roupa no armário, com os olhos fechados, estimule a parte tátil e procure a peça que você deseja;

4) Leia muito e diariamente. Não só isso: converse com alguém sobre o que leu.

O Dr. Leandro Teles, neurologista da Universidade de São Paulo (USP), explica que “o funcionamento cerebral não é linear e, como todo sistema complexo, ele é sujeito a falhas e a imperfeições. Por isso cabe a cada um reconhecer na sua vida os determinantes da baixa eficiência, tornando o sistema mais confiável”. Para isso, ele numerou 7 hábitos que alteram o funcionamento e justificam lapsos ou redução de produtividade. Confira!

Falta de sono: O hábito de dormir pouco pode atrapalhar o processo cerebral, uma vez que é durante o sono que o cérebro consolida as memórias do dia que passou, organiza o pensamento e exercita a criatividade (sabe os sonhos? Então). Além disso, prepara o cérebro para as atividades do dia seguinte. Por isso, quando dormimos mal o rendimento cai logo no dia seguinte, ocorrendo o declínio franco da concentração, da memória e alterações intensas do humor.

Sedentarismo: A atividade física age no sistema nervoso central reduzindo a ansiedade, derrubando os níveis de cortisol e adrenalina, estimulando a formação de redes dentro do hipocampo (região responsável pela memorização) e melhorando o sono. Ou seja, a falta dela remete aos mesmos problemas de falta de sono, que comprometem a atividade cerebral de semelhante maneira.

Rotina: Ela automatiza os processos mentais e, dessa maneira, realizamos diversas atividades sem perceber e deixamos de pensar, perdendo uma chance de exercitar os neurônios. Trabalhos repetitivos, relações interpessoais que caíram na mesmice, falta de projetos, planos, metas, tudo isso leva a uma preguiça cognitiva. Por isso sempre somos estimulados a buscar coisas novas, desafios: para alimentar o cérebro de vivencias intelectualmente mais interessantes.

Sobrecarga mental: A privação de estímulos que a rotina provoca é tão prejudicial  quanto a sobrecarga de informações. O cérebro tem uma capacidade limitada de lidar com afazeres simultâneos e se ultrapassarmos essa capacidade, teremos consequencias: esquecimentos, desatenção e baixa no rendimento. Portanto, faça cada coisa no seu tempo e se desconecte do mundo ao resolver problemas importantes e específicos.

Ansiedade: A ansiedade cria pressão antecipatória para eventos posteriores, um dimensionamento patológico do grau de complicação, etc. Os ansiosos são freqüentemente desatentos e cometem lapsos pois estão projetando sua mente para o futuro e não estão focados no presente. O ideal é combater a ansiedade com medidas comportamentais.

Desorganização: Trabalhar em ambientes apropriados, gerenciar o tempo, estipular prioridade, delegar tarefas com inteligência, manter um certo padrão aonde guarda as coisas, o jeito que destaca o que é mais relevante, manter a fácil aceso aquilo que é usado com maior urgência ou frequência, etc. Tudo isso libera seu cérebro para se engajar no processo cognitivo superior, como a criatividade, raciocínio lógico, previsão de resultados, etc.

Vícios e alimentos: Reduza o consumo de álcool e nicotina e tenha cuidado com medicamentos para tontura, náuseas, relaxantes musculares e remédios para dormir sem orientação médica (eles podem atrapalhar todo o processo mental). Evite o excesso de estimulantes como cafeína, pois o exagero pode até deixá-lo ligado, mas, paradoxalmente, mais desfocado e menos produtivo. Evite excessos alimentares, coma várias vezes ao dia e prefira alimentos de fácil digestão. Também evite trabalhar e estudar com fome. Ou seja, evite os excessos, quaisquer que eles sejam.

Fontes: drauziovarella.uol.com.br/
 http://janeirobranco.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *