A tecnologia, o mercado, a saúde e a Internet das coisas

Como a Internet das Coisas vai transformar o celular no melhor assistente médico e mudar os serviços de saúde

Comentário do Blog: Postado há exatos 2 anos, ou seja, no dia  05/07/2016 você encontra, aqui no Viva a Velhice um artigo na categoria Tecnologia, com o título a Internet das Coisas. Nesse artigo o tema estava voltado para o dia a dia de uma casa, o uso dos utensílios, dos equipamentos eletrônicos e a segurança. Hoje a internet das coisas trata dos equipamentos de prevenção e acompanhamento da saúde. Uma coisa importante é termos claro que saúde é bem estar. Assim como velhice não é doença, saúde também não é doença.Vamos a leitura do artigo de hoje tendo presente que toda essa tecnologia estará ao alcance de poucos, ou melhor, de quem tiver muitos $$$. 

Na corridinha matinal o seu relógio inteligente monitora os batimentos cardíacos e a oxigenação, alimentando seu prontuário eletrônico que está na nuvem e pode ser acessado pelo seu cardiologista em tempo real. Ao chegar em casa, seu celular, conectado a um sensor subcutâneo implantado no seu braço, dá um alerta de que você esqueceu de tomar sua medicação. Ao usar o vaso sanitário, um teste de urina pode descobrir uma infecção ou, surpresa, uma gravidez.

 Nenhuma revolução na área da saúde será tão impactante quanto as que nascerão na maternidade da Internet das Coisas e que nos próximos anos deixarão o berçário para levar a transformação digital aos consultórios, aos hospitais, aos laboratórios e, acredite, até mesmo à sua casa.

 Duvida?

 Pois saiba que o Google registrou recentemente uma patente para monitorar a saúde cardiovascular de pacientes através de dados coletados em banheiras ultrassônicas, assentos sanitários sensíveis à pressão, sensores no espelho e outros dispositivos que estarão instalados em um banheiro inteligente projetado para auxiliar no acompanhamento de pacientes com problemas cardíacos.

 Do conforto do lar, sem precisar marcar uma consulta, o paciente poderá acompanhar continuamente seu estado, fazer exames e diminuir riscos de ocorrências mais graves tomando medidas preventivas assim que receber o diagnóstico. Com isso, reduzirá os gastos com saúde e visitas desnecessárias ao médico. O sistema de saúde, seja público ou privado, também se beneficiará ao ter condições de identificar e priorizar os casos mais graves, reduzindo assim o custo do tratamento de  doenças crônicas.

O prognóstico é claro: a Internet of Healthcare Things (IoHT) ou Internet of Medical Things (IoMT) irá trazer impactos sem precedentes na história da medicina. Uma pesquisa da Aruba Networks indica que 87% das organizações de saúde irão adotar a IoT até 2019. A IDC (International Data Corporation) prevê que no próximo ano 40% delas estarão utilizando biosensores. A eMarketer projeta que esse será um mercado de impressionantes US$ 163 bilhões em 2020.

 Como nas demais indústrias, a principal vitamina da Internet das Coisas e sua principal aplicação na medicina é o Big Data.

 A  empresa de análises de mercado MarketsandMarkets avalia  que em 2021 o mercado global de wearables (tecnologias vestíveis) de saúde será de US$ 12 bilhões. A empresa de pesquisa Berg Insight prevê que, no mesmo ano, existirão mais de 50 milhões de pessoas monitoradas por equipamentos conectados, que irão abastecer continuamente bancos com dados sobre a saúde da população, permitindo, por exemplo, antecipar uma campanha de vacinação ao prever a iminência de uma epidemia ou avaliar quais terapias estão trazendo melhores resultados para determinado tipo de câncer.

 Minerando dados provenientes de diversas fontes e apoiados por algoritmos, os profissionais da saúde – médicos, laboratoristas, pesquisadores e enfermeiros – contarão com um poderoso sistema de Electronic Healthcare Records (EHR) para identificar patologias, receber recomendações para definir os tratamentos mais indicados e acelerar o desenvolvimento de novos medicamentos a partir de testes em grupos de indivíduos monitorados.

É um caminho sem volta. As principais empresas de tecnologia do mundo já embarcaram na IoMT, fazendo uso intenso de Inteligência Artificial.

 A IBM colocou a inteligência artificial do Watson para analisar dados de saúde recebidos de aparelhos conectados. A Philips fechou parceria com a Salesforce.com para criar uma plataforma que integra equipamentos médicos para extração e análise de informações recolhidas através de prontuários, exames de imagem e wearables. Intel e Microsofttambém são atores importantes da nova revolução da IoT na medicina de precisão, sustentada pela associação da Inteligência Artificial com a robótica e a computação em nuvem.

Fonte da Imagem: Neurogadget

 Além do Big Data, outras aplicações de IoT já vêm garantindo maior qualidade de vida aos pacientes. A Roche distribui um monitor que, implantado sob a pele, envia para um app no celular os índices de glicose dos diabéticos. Desenvolvidas pelo Google e licenciadas pela Novartis, lentes de contato analisam as lágrimas dos pacientes para também medir os níveis de açúcar no sangue.

 Mas incrível mesmo são os sensores ingeríveis da Proteus Digital Health. Basta engolir uma pílula que dissolve no estômago e produz um pequeno sinal transmitido para um app para avisar o paciente se ele está ou não seguindo o tratamento e tomando sua medicação de forma correta.

Fonte da Imagem: Pharmafile

A IoT viabilizará uma medicina mais assertiva, preventiva e, por isso mesmo, menos custosa, o que é uma boa notícia considerando a perspectiva de envelhecimento da população mundial, que contabilizará 1,2 bilhão de idosos em 2025.

Ela possibilitará o monitoramento dos pacientes em casa e o acompanhamento de idosos remotamente. Se associada aos serviços de orientação médica, os médicos estarão conectados realizando consultas via vídeo conferência e, assim, teremos menor impacto no fluxo de pessoas nos ambulatórios dos hospitais. Os grandes hospitais irão, a cada dia, se especializar cada vez mais na alta complexidade.

 Estudos divulgados recentemente pela Topmed mostram que, somente com os serviços de orientação médica, 34% dos pacientes deixam de ir às emergências e 40% já são encaminhados a um médico especialista, evitando o desperdício.

 No entanto, um ponto de atenção são os riscos inerentes de vazamentos de dados pessoais extremamente sensíveis, o que já chamou a atenção de empresas de segurança de TI como Intel, Oracle, IBM e Cisco, todas empenhadas em disputar o mercado de soluções de segurança para healthcare.

 Pior do que ter seus dados expostos (já imaginou?) seria se seu marcapasso ou o monitor que controla a dosagem da sua medicação fossem ‘hackeados’. Um estudo da Healthcare Informatics indicou que no ano passado 45% dos ataques de ransomware foram contra indústria de healthcare.

 Riscos à parte, o fato é que, com o crescimento exponencial da IoT no mundo de healthcare, médicos dificilmente prescreverão algum tratamento ou medicação sem antes consultar seu prontuário eletrônico na nuvem e compará-lo com milhares de casos semelhantes. Por isso, se quiser ser tratado pela IoMT, esteja disposto para ser monitorado o tempo todo, a toda hora, em qualquer lugar.

 O acesso à sua saúde estará em suas mãos!

Por: Michel Levy. CEO da Zatix Tecnologia e Membro do Conselho do Grupo Benner. Foi CEO da Saraiva, Presidente da Microsoft no Brasil e Vice-Presidente de Operações da TIM

Fonte:https://www.linkedin.com/     

Imagem: Ventrix

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *