Avós, entre o amor e o oportunismo

Na Espanha “Um pai divorciado perde a custódia de seu filho por deixá-lo, sistematicamente, sob os cuidados de seus avós.”

O tribunal distingue entre pedir o cuidado “pontualmente” pela família e delegar completamente o cuidado, o que implica “negligenciar o cuidado da criança”
Comentário do  Blog: O artigo tem tradução livre, mas é bom lembrar que este tema  merece muita atenção. “As últimas três décadas caracterizaram-se por transformações nos arranjos familiares, as quais influenciaram as relações entre avós, pais e netos nas situações de cuidado e educação das crianças. Nesses lares multigeracionais, podem ser apontados benefícios e dificuldades.” é o que nos dizem as autoras do artigo Jovens criados por avós e por um ou ambos os pais e pode ser lido em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/
Chama-se a síndrome do avô escravo ao sentimento de obrigação quase trabalhista que nasce em muitos idosos cujos filhos sistematicamente confiam o cuidado dos netos. De acordo com dados da Imserso, três em cada quatro avós participam do dia para dar uma mão nesse sentido. No entanto, em alguns casos, a justiça começou a penalizar os pais que abusam dessa ajuda, especialmente quando entendem que os pais estão desconsiderando o cuidado de seus próprios filhos.

É o caso de uma decisão recente do Tribunal Provincial de A Coruña, que ficou sob custódia de um pai por deixar regularmente o filho aos cuidados dos avós. No texto ( que pode ser consultado na íntegra aqui ), o tribunal argumenta que as funções que legalmente correspondem ao pai são obrigatórias, por isso não pode delegar o cuidado da criança aos avós. E, consequentemente, garante a guarda exclusiva da mãe.

Como afirmado no relato dos fatos provados, após o divórcio, ambos concordaram em um regime de guarda e custódia compartilhada de seu filho, onde foi estabelecido o sistema de convivência. No entanto, dois anos depois, a mãe foi ao tribunal para exigir a retirada da custódia de seu ex-marido, porque, em turnos em que jogou o cuidado da criança, o deixou permanentemente com os avós, em violação das suas responsabilidades parental

O juiz decidiu em favor da mãe e, depois de ter sido concedida a guarda exclusiva da criança, estipulou uma nova visita de dois dias por semana para o pai e dois fins de semana por mês, e dividiu a períodos de férias entre ambos. Além disso, ele estabeleceu uma pensão para alimentação de 200 euros por mês. O pai recorreu da decisão, considerando que não havia nenhuma mudança substancial nos meios acordados pelos ex-cônjuges a princípio.

O menor, desacompanhado

O Código Civil permite modificar primeiro as condições acordadas se houver uma “alteração substancial das circunstâncias”. Além disso, como a lei acrescenta, essa modificação deve ser “verdadeiramente transcendente, permanente e subseqüente e não prevista pelos cônjuges no momento em que foi estabelecida”.

No seu acórdão, o Tribunal Provincial suporta tanto evidência oral e um relatório emitido pela equipe psicossocial que mostrou que o pai não cumpriu as suas obrigações de custódia para “cuidar negligência por seu filho.” Em vez disso, foram os avós paternos que cuidaram da criança.

Nesta linha, o tribunal observa que “uma coisa é que, em casos específicos, pode ser forçado a pedir ajuda dos avós da criança para os seus cuidados”, mas não que estes sejam aqueles que cuidam e cuidam diretamente do seu neto. Estas são funções que são obrigatórias para o pai, “sem poder exonerá-las ou considerá-las satisfeitas” através dos avós. Além disso, a Câmara rejeita o argumento do pai, que alegou que, atualmente, quando desempregado, teria mais tempo para cuidar de seu filho e determinou que o genitor não cumpria o sistema de convivência acordado.

Interesse do menor

Os magistrados insistem que, neste tipo de casos, “o interesse do menor deve prevalecer”. Neste sentido, entre todas as violações do pai, quadras de salientar que, durante todo o tempo que tinha a custódia, não compareceu a qualquer momento para a escola da criança, e que ele tinha necessidades educativas especiais. Portanto, ele nunca assinou uma autorização para fornecer uma audiência individualizada e suporte de fonoaudiólogo para o menor, o que a mãe fez.

Por todas essas razões, a Câmara confirma a sentença proferida em primeira instância e modifica o regime de custódia e custódia do menor, garantindo a guarda exclusiva da mãe.

Imagem: KD Frases Fonte: El País   Por: IRENE CORTÉS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *