Saúde e tecnologia

A saúde pode ser humanizada na era tecnológica?

Toda a tecnologia atualmente disponível melhora nossa capacidade de fornecer cuidados de alta qualidade, muitas vezes a um custo reduzido, mas ao mesmo tempo pode nos afastar da conexão humana que é essencial ao cuidar dos pacientes.

 À medida que o futuro dos cuidados médicos avança, todos os envolvidos no processo de prestação de assistência médica, médicos, equipe hospitalar e empresas que criam novas tecnologias para atendimento médico, devem manter a ideia de humanizar o atendimento médico no mais alto de suas capacidades. A empatia terá de ser o nosso guia enquanto navegamos no futuro dos cuidados médicos.

O uso de tecnologia para humanizar os cuidados de saúde parece bastante contra-intuitivo. Adicionar um dispositivo móvel à equação poderia abrir uma lacuna entre o médico e o paciente, tornando o encontro menos pessoal para ambas as partes.

No entanto, relatos recentes de médicos e pacientes mostraram que a presença de um dispositivo móvel em uma sala de exame, em vez de uma tela de computador, derrubou barreiras, permitindo que os pacientes assumissem um papel mais ativo no relato de seus problema,  ou seja, realizando a história clinica eletrônica (EHR). Como o setor de saúde procura maneiras de melhorar a qualidade do atendimento ao paciente e, ao mesmo tempo, reduzir custos, os provedores procuram esse tipo de tecnologia móvel para melhorar a participação e agilizar processos e procedimentos para ambos, tanto para  os pacientes. quanto para os médicos.

Dúvidas do médico

Não é segredo que muitos médicos ainda hesitam em adotar certas tecnologias no ponto de atendimento. Ao mesmo tempo, os sistemas de saúde estão se tornando cada vez mais centrados na tecnologia, e ficou claro que os médicos precisam usar  ou ficarão para trás.

Então, como os médicos podem aprender a adotar essas tecnologias para se adaptarem ao cenário em constante mudança da assistência médica? A solução está nos assistentes virtuais. Como o Siri em um iPhone, assistentes virtuais de saúde são projetados para atuar como um par adicional de mãos para os médicos de hoje através do uso da fala e compreensão da linguagem clínica (CLU), por sua sigla em inglês).

Da mesma forma que um assistente pessoal móvel pode controlar o tempo, fazer reservas para o jantar e encontrar rotas através do uso da voz, os assistentes virtuais de saúde têm a capacidade de procurar informações no histórico médico de um paciente, navegar pelo aplicativo de cuidados de saúde e facilitar a documentação clínica de ponta a ponta, tudo isso através de diálogos e comandos de conversação. 

Projetados para aliviar as complicações associadas à tecnologia de assistência médica padrão, esses sistemas inteligentes proporcionam uma interação semelhante à humana que ajuda os médicos a realizar seu trabalho de maneira mais eficiente, ao mesmo tempo em que melhora a participação do paciente.

O médico vai ver você agora

Os assistentes virtuais permitem que os médicos naveguem no processo de documentação clínica e no prontuário eletrônico de forma fluida, usando um diálogo natural e interativo, que lhes permite envolver pacientes sem distrações. Usando a tecnologia CLU, os assistentes virtuais capturam e analisam os dados do paciente, preenchem automaticamente o histórico médico do paciente e solicitam ao médico que forneça mais detalhes quando necessário. Isso permite que os médicos direcionem sua atenção para as necessidades individuais de seus pacientes, ao invés de uma tela de computador, o que ajuda a humanizar a interação e facilita um diálogo mais profundo e natural. Esse diálogo natural também oferece aos pacientes a oportunidade de fazer comentários adicionais ou corrigir quaisquer imprecisões em seus próprios registros.

No passado, aparentemente detalhes pequenos, mas muitas vezes significativos, podem ter sido negligenciados, mas com a capacidade de ver e ouvir seus próprios dados, os pacientes agora podem validar as informações. O resultado final é uma documentação clínica mais precisa e completa, que ajuda a garantir que o paciente receba uma qualidade e tratamento adequado no ponto de atendimento.

Esses sistemas inteligentes ajudam a preservar o fluxo de trabalho dos médicos, permitindo que eles interajam com os pacientes de maneira normal e natural, reduzindo o tempo gasto em tarefas administrativas e não diretas de assistência médica, uma preocupação crítica para muitos. doutores

Uma pesquisa recente com médicos conduzida pela Nuance Healthcare revelou que um em cada três médicos gasta 30% ou mais do seu tempo em tarefas administrativas, enquanto 79% dos médicos dedicam mais de 15% do seu dia de trabalho a tais tarefas e atividades Assistentes virtuais ajudam a gerenciar essas tarefas, reservando o tempo do médico para atendimento ao paciente.

Além da sala de exame

Os assistentes virtuais têm o potencial de agregar valor em outros aspectos do atendimento ao paciente, fornecendo soluções para problemas médicos comuns tanto para pacientes quanto para seus provedores além da sala de exames. Os assistentes virtuais podem ajudar na coordenação do atendimento ao paciente entre vários cuidadores, facilitando o acesso imediato a todos os detalhes do prontuário de um paciente, independentemente de onde o paciente tenha sido visto pela última vez. Isso permite que médicos e cuidadores que encaminham pacientes ofereçam tratamento seguro e eficaz, mesmo nos ambientes mais complexos.

Essas tecnologias também têm a capacidade de resolver problemas recorrentes, como a adesão a medicamentos e a conformidade do paciente. Um estudo recente da Mayo Clinic estima que aproximadamente 50% dos pacientes não tomam seus medicamentos conforme prescrito, o que leva a eventos adversos relacionados a medicamentos. Os assistentes virtuais orientados para o paciente têm o potencial de fornecer aos pacientes lembretes regulares, instruções de dosagem e informações pertinentes sobre suas prescrições, o que pode aumentar a adesão à medicação. A conformidade melhorada do paciente leva a um tratamento mais eficaz e, simultaneamente, reduz o risco de readmissões, economizando muito dinheiro para os hospitais.

Ao reinventar a maneira como os médicos e os pacientes interagem com a tecnologia, os assistentes virtuais estão alterando drasticamente a experiência geral de assistência médica. Com o poder de entender o diálogo natural e processar enormes quantidades de dados, os assistentes virtuais estão colocando “cuidados” de volta nos cuidados de saúde. À medida que esses sistemas inteligentes se tornam onipresentes, os desenvolvedores estão identificando rapidamente maneiras de abordar problemas ainda mais complexos, como contenção de custos, faturamento errôneo e taxas de readmissão. 

Podemos eliminar a complexidade do sistema e começar a humanizar o atendimento médico? A resposta é “sim”. Assistentes virtuais inteligentes podem nos ajudar a navegar pela complexidade e focar no que é importante:  qualidade e eficiência na atenção ao paciente.

Em 30/04/2019

Fonte: Centro Internacional sobre el Envejecimiento (CENIE) https://cenie.eu/es/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *