Dia Internacional das Viúvas

Nota das Nações Unidas de 2018

Neste Dia Internacional das Viúvas (23 de junho) a #ONU chama atenção para as 285 milhões de mulheres nesta situação no mundo, sendo que mais de 115 milhões vivem na extrema pobreza.
Essa data é uma oportunidade para adotar ações e medidas que protejam e reconheçam os direitos das viúvas, há muito tempo ignorados.
Em muitos países, as viúvas são discriminadas e perdem direito a heranças ou propriedades. Muitas são expulsas de suas próprias casas ou sofrem abusos físicos e algumas são assassinadas por parentes.
Os governos mundiais devem agir no cumprimento de suas obrigações para garantir os direitos dessas mulheres como estabelecido pelas leis internacionais, como a Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra as Mulheres.

Comentário do Blog: Vivemos entre uma abundância de datas comemorativas. Fico a pensar se as datas comemorativas  tem a função  de oferecer uma oportunidade ao Poder Público para se fazer presente na mídia e com isso considerar cumprido o seu dever. Deixemos de lado essa “sensação” e leiamos essa bela história de um grupo de viúvas espanholas que vivem na mesma rua em uma comunidade espanhola. OBS Frases e palavras negritadas acompanham o texto original. Tradução livre. A Espanha é o terceiro país com mais expectativa de vida.

As viúvas da rua do ‘Enmedio’

Todas vivem numa rua de 430 metros na cidade de Navarrevisca, em Ávila. Elas fazem parte dos dois milhões de mulheres que recebem a pensão de viuvez, na Espanha.Video thumbnail

O vento que chega da Sierra del Cabezo acolhe o verão e atenua o calor tórrido. Tia Leoncia enrola a jaqueta, encosta o bastão na parede e bate na porta do vizinho do outro lado da rua: “Tomasa, você está viva ou o quê?” E tia Tomasa abre a porta com uma risada. “Minha mãe e minha sogra morreram na minha cama. Com dois bastam”, responde a nonagenária enquanto sai com uma poltrona e vários novelos de lã e linha com os quais vai fazer crochê. Um par de meias, alguns sacos aromáticos para os armários … E, antes de começar a trabalhar, ele puxa novamente seu repertório humorístico: “Você não vai ver nenhum homem nesta rua . Eles não se atrevem a passar, pois morrem”. Palavra de uma das viúvas.

Era uma vez uma pequena cidade no Alberche Valley, com uma rua onde só moravam mulheres. Todas viúvas. Um lugar entre as montanhas chamado Navarrevisca (a 50 km de Ávila) que representa tanto a Espanha despovoada quanto a Espanha, onde a longevidade favorece mais mulheres do que homens. Elas, de acordo com os dados que acabam de ser publicados pelo Instituto Nacional de Estatística, vivem em média 85,9 anos. Eles, 80,5.

No Dia Internacional das Viúvas , viajamos para esta cidade com 279 moradores registrados para dar visibilidade a história às sete viúvas que vivem em uma rua de paralelepípedos com 430 metros que vai da igreja à padaria. No Google Maps, aparece como Church Street. A quase um século atrás a chamavam de Dativo Conde em homenagem ao padre da aldeia. Por outro lado, os navarrisqueños a conhecem como rua Enmedio porque está no centro de duas outras ruas.

O silêncio se rompe após a sesta. Está na hora de jogar cartas. Hoje é a brisca*. As mulheres trazem, de um beco, uma mesa e várias cadeiras.

O mais veterano é a francesa Tomasa Martín (92 anos), que mora no número 68. “Meus pais foram trabalhar em Paris e eu nasci lá”, diz ela. Ela retornou para a aldeia com 10 anos apenas, no início da Guerra Civil, e foi trabalhar no tear de seu avô Eduardo fazendo cobertores. Aos 24 anos, ela se casou com o Aurelio, que morreu em 2008. “Ele me conquistou porque me escreveu muitas cartas quando estava no exército. Sem dúvida, ele era uma das pessoas mais bonitas da cidade.”

Sua vizinha na frente, do 67, é Leoncia Sánchez (86 anos). O marido dela, Lorenzo , morreu em 2006. “Quando eu tinha 14 anos, fui trabalhar na casa do oleiro em Ávila”, lembra ela. Um ano depois, partiu para Madri para trabalhar como empregada doméstica de um militar. “Por 300 pesetas eu limpei o chão de joelhos.” Ela voltou para a aldeia com 25 anos para se casar.

No jogo também estão Paula (88 anos, vizinha do número 79) e María Calvo (80 anos, vizinha do número 81). “Quando eu tinha 10 anos, já estava trabalhando na casa do tio Miguel e com 18 fui para Madri para trabalhar em uma boa casa de família”, explica María, que retornou a Navarrevisca aos 24 anos. Seu marido, o construtor Lorenzo, morreu em 2010. “Eu nunca fui trabalhar em Madri. Eu fui pastora** toda a minha vida”, responde Paula.

Elas fazem parte de mais de dois milhões de mulheres que recebem pensão por viuvez na Espanha, com um valor médio de 650 euros por mês . O grupo de viúvos com um pensão é uma minoria e supera ligeiramente os 180.000 homens. “Sempre fomos muito mais saudáveis, é por isso que vivemos mais que eles”, brinca Tomasa. Mulheres como ela, que tem uma fabulosa saúde aos 92 anos, são as que elevaram a Espanha ao terceiro lugar nos países com maior expectativa de vida (atrás do Japão e da Suíça, segundo a Organização Mundial de Saúde). .

Ao lado de Tomasa na Rua Enmedio, também vivem Catalina Rodriguez (70 anos, mora no 57, viúva de Florencio), Clementa Calvo (76, morador da 69ª e viúva do açougueiro Pepe) e Segundo Gonzalez (72 anos, vizinha do número 76 e viúva do butanero*** Juan). Com elas, todas as tardes, outra viúva, María González , vive no que chamam de “barrio de abajo”.

Nós as encontramos na sala da casa de María Calvo. Elas representam aquela geração de garotas do pós-guerra que foram forçadas a deixar o campo na década de 1950 para servir nas casas da cidade grande, mas a maioria voltou para a cidade para se casar. Anos depois, foram seus filhos que foram, mas não retornaram. Essa foi a mudança geracional que levou ao que conhecemos hoje como Espanha vazia (despovoamento).

De manhã elas estão na rua com vários novelos de lã e outros fios com os quais fazem crochê. LC

“Somos as últimas viúvas que vamos morar na aldeia”, diz Leoncia. “Quando morremos, não creio que haja muitas pessoas aqui porque não há trabalho. Nossos filhos e netos vêm nos finais de semana e feriados. E para isso a cidade permanecerá”, diz Tomasa. “Mesmo assim, a vida mudou para melhor. Nós passamos muitas necessidades. Agora temos geladeiras cheias”.

Embora nem todas gostem das mudanças. “A juventude de hoje está fora de controle. Agora eles são muito independentes, quando nossos netos saem em festas eles vêm na hora que querem e nós, no máximo, bebemos um pouco de refrigerante com vinho e às dez voltamos para casa”, conta Leoncia. “Nós nunca pisamos em bares. Se fomos, foi sempre pela mão dos nossos maridos”, acrescenta Maria.

Feminismo? “Antes não sabíamos o que era. Nos disseram que nosso dever era para servir ao homem e que, finalmente, trabalhamos mais que eles, porque além de ajudar com hortas e gado, faziamos o trabalho doméstico e cuidava das crianças , enfatiza Leonie. “O que mudou são os relacionamentos que estão agora …”, diz Tomasa. “Os jovens, sem conhecer nada, circulam pelos cantos . Isso não acontecia antes”, continua ela. “Eu ia regar as plantas e aquele que queria me conquistar tinha que vir me cortejar. Antes, receava-se que uma menina estivesse com um menino sem se casar e que engravidasse, porque isso significava que ela nunca mais encontraria um marido”, diz Leoncia. “As mulheres suportaram muita bobagem pelo que diziam. Agora elas se divorciam imediatamente “.

A união das viúvas da rua Enmedio começou o compartilhamento da parteira e continua agora com os jogos de Brisca e o crochê. Todos elas sintonizam os canais locais de Castela e Leão todos os dias porque amam o folclore, as danças e os costumes das aldeias. Elas lancham juntas pastas com refresco, mas as refeições principais cada uma em sua casa. “Não temos medo de ficar sozinhas. Nós sempre teremos televisão”, brincam em uníssono. Quando o rigoroso inverno das montanhas chega, muitos vão a Madri com suas famílias. “Quando estou em Madri e não consigo dormir em vez de contar carneirinhos, começo a contar os habitantes que permanecem em Navarrevisca”, diz Tomasa.

Na cidade de Ávila, isso ainda não acontece como em Vrindavan (Índia), onde um terço da população (20.000) é viúva. Mas sempre teremos o exemplo da rua Enmedio como uma representação da longevidade de algumas mulheres que marcaram uma geração que está gradualmente desaparecendo do mundo rural.

Por: LUCAS DE LA CAL 

Fonte: www.elmundo.es/cronica/2019/06/23/

Imagem: Vista aérea de Navarrevisca. JAVIER MATAMOROS

* Bisca é um jogo de cartas baseado no baralho italiano. É jogada com o baralho lusófono de 52 cartas, removendo-se as cartas 8, 9 e 10 do baralho, como forma de obter as 40 cartas necessárias para jogar. Existem variações regionais de pontuação.

** pastora de ovelhas, conduzir as ovelhas para o pasto.

*** vendedor de gás.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *