O que torna uma cidade amiga do idoso?

“Os direitos das pessoas não expiram com o envelhecimento ou o comprometimento cognitivo”

Mari Karmen GarmendiaA presidente da Matia Fundazioa, Mari Karmen Garmendia,  analisa os desafios do envelhecimento da população no Dia Internacional do Idoso

BILBAU – Em Euskadi, a taxa de envelhecimento é de 147%, bem acima da média estadual, localizada em 120%. Isso significa que, para cada 100 pessoas com menos de 16 anos, existem 147 pessoas com mais de 64 anos. Esse número representa um máximo histórico que responde a uma tendência de crescimento. Um desafio, sem dúvida, capitalizado ontem analisado no III Fórum Viva Mais, Viva Melhor, da HelpAge International Foundation, um movimento ao qual Euskadi está ligado através do programa Euskadi Lagunkoia, um instrumento para o envolvimento das cidades bascas no avanço em direção à ambientes mais amigáveis ​​com os idosos.

O que torna uma cidade amiga dos idosos?

– Em Euskadi, estamos em uma etapa muito importante, na qual a rede de municípios aderidos aumenta gradualmente. Hoje teremos cerca de setenta anos e isso tem a ver com o conceito de amizade. Em Euskadi, traduzimos esse movimento como Euskadi Lagunkoia, bem como na série de ações relacionadas aos direitos, dignidade e bem-estar dos idosos.

O que isso se traduz em medidas concretas?

– Na semana passada, o conselheiro apresentou na Fundação Matia, por exemplo, as condições que uma casa deve ter para as pessoas com demência, para que sejam tratadas da melhor maneira possível e vivam da melhor maneira possível. Tem a ver com a adequação de parques, espaços livres, espaços naturais, para os idosos; tem a ver com o direito de morrer com dignidade, tem a ver com a detecção e atenção de casos de solidão, tem a ver com a O conceito de serviço ao idoso, comércio, lojas, bares, restaurantes, tem a ver com a relação intergeracional … Em suma, que os idosos não são relegados de forma alguma, parte ativa da vida em todos os seus aspectos.

As instituições estão avançando e a sociedade é amiga dos idosos?

– O progresso é importante. Nossa taxa de envelhecimento é muito alta e, na sociedade, estamos fazendo as coisas bem, há consciência das características demográficas de quem somos, mas também há consciência, comprometimento do que respeito e dignidade significam para todas as pessoas, incluindo pessoas que estão virando anos e envelhecendo. Os direitos não expiram com o envelhecimento ou com o comprometimento cognitivo, isso é algo que levamos conosco e as políticas públicas e as de outras instituições, como o trabalho de voluntariado, que é louvável em Euskadi, são ferramentas que Não podemos perder de vista.

Quais são os desafios da longevidade?

– A parte dos direitos e tudo o que isso significa, o modo de atenção às pessoas, tanto em sua própria casa quanto em outras instituições, residências, creches, e aí eu diria que não podemos perder o foco: atenção centrada na pessoa, sabendo que cada pessoa é única, portanto, devemos ter isso em mente ao cuidar, cuidar e acompanhá-la, seja em família ou não. Isso significará a necessidade de profissionais devidamente preparados para o atendimento de todas essas pessoas. Também haverá necessidade de mais recursos e acredito que não podemos perder de vista o envolvimento do voluntariado. Encorajo as pessoas a se envolverem, porque mesmo se gastarmos pouco tempo, mesmo uma hora por semana, isso nos enriquecerá como pessoas.

Durante anos, Matia Fundazio a trabalha para transformar grandes residências em espaços menores e mais familiares. Como eles avançam nesse propósito?

– Eles estão gradualmente dando passos, com os olhos focados na atenção centrada na pessoa, para que o local onde eles vão morar seja adaptado às suas necessidades físicas, cognitivas, de saúde, mas também emocionais. Que são lugares aconchegantes, pensando não na massa, mas nas individualidades e que arquitetonicamente é sustentável. Esse é um lugar que eles consideram seus e podem se sentir confortáveis ​​nessa fase da vida.

Por: MARTA MARTÍNEZ – terça-feira, 1 de outubro de 2019

Tradução livre. Fonte: www.deia.eus/2019/10/01/

É importante conhecer:

1. Guia Global: Cidade amiga do idoso/OMS

2. Quatro cidades brasileiras já possuem certificação internacional de Cidade e Comunidades Amigáveis à Pessoa Idosa

3. ilcbrazil.org/portugues/

OBS: Ainda sem a sanção Presidencial o PL 402/2019 com a seguinte Ementa: Institui o Programa Cidade Amiga do Idoso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *