Universidade amiga do idoso

As faculdades estão fazendo mudanças drásticas para atrair alunos mais velhos

E se eles projetassem um campus universitário – de cursos de meio período – com você em mente?

Da próxima vez que estiver em um campus universitário, dê uma olhada. Aquele homem de cinquenta e poucos anos de paletó de tweed? A mulher de sessenta e poucos anos com uma bolsa de couro cheia de papéis?

Não assuma que eles são professores – é provável que sejam estudantes.

“Falamos muito sobre diversidade no campus, mas o envelhecimento é muitas vezes esquecido.” Joann Montepare Fuss Centro de Pesquisa sobre Envelhecimento e Estudos Intergeracionais

Na última década, houve um aumento dos adultos com 50 anos ou mais, frequentando faculdades de dois e quatro anos ou obtendo diplomas de pós-graduação. Suas razões variam, desde finalmente terminar o bacharelado em espera até avançar nas carreiras existentes até a expextativa de uma segunda carreira. Alguns vão simplesmente pelo amor ao aprendizado.

Alguns alunos adultos preferem uma sala de aula tradicional; outros, a flexibilidade dos cursos online. De qualquer forma, os alunos mais velhos dizem que o ambiente acadêmico deve ser adequado a suas vidas ocupadas e de múltiplas responsabilidades. Mais faculdades e universidades estão reconhecendo essa tendência, desencadeando um movimento formalizado e crescente de universidade amigável à idade , ou AFU.

Não são “faculdades para idosos”, diz Joann Montepare, diretora do Centro Fuss de Pesquisa sobre Envelhecimento e Estudos Intergeracionais no Lasell College, em Newton, Massachusetts.

É mais um esforço de todo o campus, geralmente liderado por um programa de gerontologia ou centro de envelhecimento, o que ajuda a garantir que os idosos sejam incluídos em todos os aspectos dos programas, disciplinas e políticas da universidade.

Falamos muito sobre diversidade no campus, mas com o ageísmo muitas vezes é negligenciado” diz ela.

Uma mudança cultural

O modo como um campus decide ser favorável à idade pode variar desde o aprendizado entre gerações até a melhoria da infraestrutura, como iluminação em estacionamentos ou mais rampas e calçadas.

Essa abordagem beneficia a todos.

“É realmente uma mudança cultural na maneira como as universidades fazem as coisas”, diz Montepare.

Mais de 600.000 adultos com 50 anos ou mais foram matriculados em faculdades públicas ou privadas  em 2011 , de acordo com o Centro Nacional de Estatísticas da Educação. Em 2015, as matrículas haviam  aumentado  para quase 700.000.

Prevê-se que esses números aumentem à medida que a população continua a envelhecer, diz Montepare, que defendeu universidades mais favoráveis ​​à idade durante a Conferência da Sociedade Gerontológica da América em novembro passado.

“Essas mudanças demográficas são uma questão definidora do nosso tempo”, diz ela.

Um motivo: mais Baby Boomers  planejam trabalhar  além da idade tradicional de aposentadoria e precisam manter as habilidades atualizadas.

Um pouco assustador

O movimento universitário favorável aos idosos migrou para cá de Dublin, na Irlanda, em 2015. Desde então, 45 instituições acadêmicas nos EUA (da UCLA à Universidade de Washington em St. Louis) e dezenas de outras ao redor do mundo adotaram formalmente a AFU estrutura.

Eu definitivamente me senti intimidada no começo. ” Alonzo Walker, 56. Doutorado em educação em 2018

 Eles concordaram em seguir um conjunto de princípios fundamentais , incluindo incentivar a participação de idosos em todos os aspectos da vida universitária, promover o desenvolvimento pessoal e carreiras para a segunda metade da vida e melhorar o acesso dos idosos à faixa de saúde de uma universidade, programas de bem-estar e artes.

Sentar-se em uma sala de aula com alunos com menos da metade da sua idade pode ser assustador, diz Alonzo Walker, 56 anos, consultor de recursos humanos em Chicago que obteve seu doutorado em educação em 2018. Ele era o mais antigo de seu programa.

“Eu definitivamente me senti intimidado no começo”, diz ele. “Então algo clicou e eu percebi que poderia usar minhas experiências da vida real em meu proveito. É algo que aqueles que passaram a vida na sala de aula não podiam fazer.”

Segundo ato

Um relatório da empresa de pesquisa Deloitte observa que algumas escolas, como a Universidade de Wisconsin, estão mudando para graus baseados em competências, em vez de se concentrarem na abordagem padrão das horas de crédito.

Esses diplomas recompensam a experiência anterior e avaliam o conhecimento através do domínio demonstrado de um assunto – permitindo que os alunos progridam em seu próprio ritmo, independentemente do tempo necessário para concluir um curso. Eles também contam a experiência de vida relevante para o progresso de um aluno.

“Eu era muito jovem para me aposentar, então, aos 59 anos, decidi investir em mim mesma e voltar à escola para meu MFA.”

Mark Shavin, 62 Formou-se no MFA em 2018

De acordo com os princípios da AFU, uma universidade amiga do idoso promove o aprendizado em todas as etapas da vida e carreira de um adulto. O apoio a uma carreira no segundo ato foi importante para o ex-produtor de televisão de Atlanta Mark Shavin, ao pensar em seu próximo passo depois de mais de um quarto de século em transmissões.

“Eu era muito jovem para me aposentar, então, aos 59 anos, decidi investir em mim mesmo e voltar à escola para o meu MFA”, diz ele. “Isso me permitiu passar os próximos dois anos mergulhando fundo em um livro em que trabalho há 40 anos e me prepare para uma segunda carreira.”

Shavin, agora com 62 anos, formou-se na Universidade da Geórgia, Atenas em 2018 e atualmente ensina jornalismo de difusão lá. Ele também está agenciando compras de livros. Ele diz que seu programa era realmente intergeracional – os colegas variavam de 20 anos a “mais velhos que eu”.

Além do envelhecimento

Montepare, cujos alunos “variam de 18 a 88 anos”, diz que ensinar em um ambiente mais favorável à idade ajuda-a a entender e a abordar melhor as questões relacionadas à idade.

O centro que ela dirige está instalado em uma comunidade de aposentados de cuidados continuados , localizada no campus. Os residentes devem concordar com um programa formal de educação continuada de 450 horas. E o centro oferece dicas sobre como incorporar atividades de envelhecimento e intergeracionais em qualquer curso.

“A grande maioria dos nossos alunos tradicionais se forma com um conhecimento insignificante do envelhecimento.” Joann Montepare Fuss Centro de Pesquisa sobre Envelhecimento e Estudos Intergeracionais

Montepare diz que não importa qual seja o assunto – ambiente, política, moda – ensino e aprendizagem alcancem novos patamares quando diferentes gerações são reunidas. A colaboração entre os programas de gerontologia e outros departamentos do campus está crescendo.

“Isso vai além do envelhecimento”, diz ela.

Em um nível mais amplo, os campi mais amigáveis, integrados e diversificados para a idade podem desempenhar um papel fundamental na abordagem do envelhecimento generalizado e insidioso, que é parcialmente alimentado por nossas instituições e comunidades segregadas por idade, diz Montepare.

“A grande maioria dos nossos alunos tradicionais se forma com conhecimento insignificante do envelhecimento, a menos que eles achem o caminho para um de nossos cursos”, diz ela. “Estamos prestando um grande desserviço a eles, não ajudando-os a obter competência em questões que terão tremendas conseqüências pessoais e profissionais em suas vidas – não importa qual seja sua faculdade.”

Uma mistura de gerações

Obviamente, as faculdades podem ser amigas dos idosos sem adotar formalmente os princípios da AFU.

Mas a estrutura fornece um roteiro para garantir que as escolas colaborem, incluam e alcancem os idosos no campus e fora dela, diz Carrie Andreoletti, professora de psicologia da Universidade Estadual Central de Connecticut, que ajudou a liderar a iniciativa da AFU de sua escola.

O Gabinete de Educação Continuada do CCSU fez parceria com o corpo docente de gerontologia e a AARP para sediar  sobre uma variedade de tópicos, incluindo interromper  carreiras no envelhecimento e proteção contra fraudes.

Se você está em cima do muro porque tem medo de não se encaixar, não fique.

Eles também procuram oportunidades dentro e fora das salas de aula para quebrar estereótipos negativos e desinformação que os jovens e os idosos têm um sobre o outro.

“Estamos interessados ​​em aumentar as oportunidades de aprendizado intergeracional, que podem incluir projetos de aprendizado de serviço que possam oferecer oportunidades a jovens e idosos de colaboração e envolvimento da comunidade”, diz ela.

Além das aulas integradas por idade, as universidades amigas do idoso oferecem aos adultos mais velhos outras formas de participar da vida no campus, sendo voluntário como tutor ou mentor ou participando de pesquisas. Mudanças simples de política, como expandir o horário comercial de assistência financeira ou disponibilizar suporte técnico nos finais de semana, é outra característica de um campus voltado para idosos.

Se você está em cima do muro para voltar à escola porque tem medo de não se encaixar, não fique, diz Walker.

Ele viajava três horas em cada sentido, várias vezes por semana, de Chicago à Universidade de Illinois, Champaign, para participar de um programa que ele considerava um ajuste perfeito.

“As únicas barreiras estão em sua mente.” 

Este artigo foi escrito com o apoio de uma bolsa de jornalismo da Sociedade Gerontológica da América, Rede de Jornalistas sobre Gerações e AARP.

Por: January 15, 2019       Fonte: www.considerable.com/

Imagem: Pinterest

Nota: Tradução livre. Consulte o artigo original seguindo o link da Fonte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *