A companheira de todas as horas: a leitura

A escritora Ruth Rocha uma vez disse que as pessoas são divididas em três categorias: as que serão leitores sem nenhum estimulo; as que precisam de estimulo para ler e as que não lerão nunca.

Acreditando que o Viva a Velhice  conquistou a fidelidade de muitos leitores. Convencida?  Direi que não. O Analitcs, agora ExactMetrics me informa diariamente quantos pessoas visitaram o Blog e qual o post eleito para a visita e quantos minutos permaneceram em cada um.

Sabemos nós que o Viva a Velhice abriga longos e longos artigos e não vai mudar, porque o objetivo é informar e um artigo técnico ou oriundo de pesquisa, seja lá qual for a metodologia jamais será um bilhete.

Mas hoje, coisa que há tempos não aparece por aqui, vamos sugerir livros para leitura, que tem tudo a ver com o momento histórico que estamos vivendo.

Numa pequena cidade da costa argelina, na década de 1940, a vida dos habitantes segue sua rotina até que milhares de ratos começam a surgir do subterrâneo e morrer aos milhares. Logo as pessoas também começam a pegar a doença — e seu destino é, em muitos casos, o mesmo.

Essa narrativa, escrita em 1947 pelo franco-argelino Albert Camus, tem atraído muitos leitores em diversos países da Europa, em meio à pandemia do Covid-19.

Estamos falando de A Peste de Albert Camus, com nova  capa.

Sugerimos, também, Ensaio sobre a Cegueira de José Saramago.

O “Ensaio Sobre a Cegueira” é a fantasia de um autor que nos faz lembrar “a responsabilidade de ter olhos quando os outros os perderam”. José Saramago nos dá, aqui, uma imagem aterradora e comovente de tempos sombrios, à beira de um novo milênio, impondo-se à companhia dos maiores visionários modernos, como Franz Kafka e Elias Canetti. Cada leitor viverá uma experiência imaginativa única. Num ponto onde se cruzam literatura e sabedoria, José Saramago nos obriga a parar, fechar os olhos e ver. Recuperar a lucidez, resgatar o afeto: essas são as tarefas do escritor e de cada leitor, diante da pressão dos tempos e do que se perdeu: ´uma coisa que não tem nome, essa coisa é o que somos´.

Ensaio sobre a Cegueira também está em filme. Divirta-se.

Em tempo: um link oportuno www.contioutra.com/em-montevideu-cestas-basicas-foram-distribuidas-com-livros-trazendo-alimentos-o-corpo-e-para-a-alma/

Imagem: www.crb8.org.br/

Fontes dos comentários sobre os livros:   www.bbc.com/portuguese/

www.saraiva.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *