ILPIs, nossas desconhecidas

No dia 1º de abril de 2020 o jornal Diário de Pernambuco publicou  o seguinte:

Maior abrigo de idosos de Pernambuco suspende visitas e apela para doações

A medida obedece a uma determinação do governo do estado para todas as instituições de longa permanência de Pernambuco.
São 115 vidas reunidas na maior e mais antiga Instituição de  Longa Permanência para idosos (ILPI) de Pernambuco. 
Em seus corredores  construídos há 77 anos a interna mais velha tem 104 anos. O abandono de amigos e familiares é a realidade para a maioria dos homens e mulheres do lugar. Entre os que têm famílias e amigos, 80% não recebem visitas com frequência. A chegada da Covid-19 agrava mais o quadro de esquecimento no Abrigo Cristo Redentor, em Cavaleiro, Jaboatão dos Guararapes. As visitas do espaço foram suspensas desde o dia 13 de março.
Os idosos são o principal grupo de risco para a doença provocada pelo coronavírus. A Espanha e a Itália, por exemplo, registraram aumento no número de casas de repouso dizimadas pela Covid-19. Não somente as visitas foram reduzidas. As doações diminuíram 90% diante da crise econômica instalada no país.
Tereza está comovida com as mortes em todo o mundo e afastada das sobrinhas. (Foto: Peu Ricardo/DP)
Tereza está comovida com as mortes em todo o mundo e afastada das sobrinhas. 
Tereza Peixe, 89 anos, anda chorosa com as notícias sobre a pandemia. “Que nada chegue aqui e que vá embora, desapareça do mundo. Eu assisto às notícias e fico comovida com tanta gente morrendo. Tenho medo dessa doença.” Antes do coronavírus, Tereza, que não casou e não teve filhos, recebia visita das sobrinhas ou mesmo passava dias na casa delas. Agora, mata a saudade por telefone. “Elas ligam, avisam que não podem vir, que não estão saindo de casa. Eu entendo.”
Marcel já não tem liberdade nem mesmo para ir ao banco sozinho e tem medo de pegar a doença. (Foto: Peu Ricardo/DP)
Marcel já não tem liberdade nem mesmo para ir ao banco sozinho e tem medo de pegar a doença.

Marcel Libório, 78, perdeu um pouco da liberdade de ir e vir por conta da pandemia. Antes do isolamento social forçado, costumava ir ao banco sozinho. Agora, somente pode sair acompanhado com alguém do abrigo. Em dias de maior aprisionamento no Cristo Redentor, também chamado de lar por ele, Marcel começa a sentir ainda mais a falta de visitas. Tem quatro filhos, além de netos, mas há muito não vê a família. Diz sentir falta da relação com a filha mais velha, encerrada após um desentendimento ainda no abrigo. “Eu tenho medo da doença. Sou fraco para dor”, diz Libório.

Nos gabinetes do governo, uma nota técnica conjunta foi preparada por três secretarias do estado. O documento traz recomendações para essas instituições de idosos. Vão desde cuidados básicos com a higienização até procedimentos para identificar sintomas do vírus e suspensão das visitas até o controle da pandemia. “Existe uma recomendação para as secretarias municipais de saúde orientarem os abrigos. Até agora, não temos casos da Covid-19 entre os internos dos abrigos do estado”, diz o secretário executivo de Direitos Humanos, Diego Barbosa.
“A medida de suspender as visitas é um pouco dura, mas necessária, porque há uma recomendação mundial de isolamento. Sabemos que muitas vezes eles já estão abandonados e não não têm afeto. Quando suspende a visita, suspende também a de voluntários que, muitas vezes, fazem trabalhos recreativos. Em contrapartida, a recomendação é que gestores busquem medidas para viabilizar chamadas telefônicas e vídeo chamadas para essas pessoas, seja de familiares ou de voluntários, para preservar ao máximo a tranquilidade dos idosos”, explica Barbosa. As visitas somente são permitidas em casos extraordinários, como depressão dos internos, desde que se recomende o contato e o visitante não apresente sinais da doença.
Diante da pandemia, as doações andam escassas, seja em dinheiro, seja em mantimentos. As pessoas têm alegado a crise e as surpresas que podem surgir do ponto de vista econômico no país. “Ontem mesmo faltou bolacha salgada, que eles adoram”, disse Madalena Albuquerque, voluntária do setor de captação. O coordenador do abrigo, Manuel Jerônimo, disse que as contas não fecham sem o apoio da população. O abrigo é mantido com 70% da aposentadoria de cada interno e com as doações. É filantrópico e administrado pelo Rotary. Por mês, custa R$ 170 mil. “Precisamos de ajuda em dinheiro para custear os funcionários”, destaca Jerônimo.
As doações em dinheiro podem ser feitas no Banco do Brasil, agência 4118-1, conta 17111-5, cnpj 10424810/000129. O telefone do abrigo é o 81 9184-9555.
Quem não puder levar os mantimentos, o Cristo Redentor envia um motorista à casa do doador. Ao todo, 40% dos idosos e idosas do Cristo Redentor não têm contato com a família. 30% são cadeirantes e 15% são acamados. Ao todo, o abrigo têm 82 funcionários e 25 voluntários.
Pernambuco tem 112 Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI) e 3.683 pessoas abrigadas.

 

25/05/2020 – O Ministério Público do Estado de Pernambuco (MPPE) recomendou que as secretarias de Saúde das cidades de Arcoverde e do Recife intensifiquem medidas de sanitização e a realização de testes contra o Covid-19 em Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs). O objetivo é evitar a disseminação da doença nesses locais. As pessoas idosas configuram um dos grupos mais vulneráveis à transmissão do novo coronavírus.

No Recife, o MPPE tomou conhecimento do registro não somente de casos como também de óbitos em seis dessas instituições, supostamentes relacionados ao Covid-19. Dessa forma, para evitar o contágio de outros idosos residentes e dos profissionais que atuam nas ILPIs do Recife (em especial: o Centro de Convivência Geriátrica Santa Bárbara, o Residencial Geriátrico Luminar e o Abrigo Espírita Batista de Carvalho, onde ocorreram registros de casos e mortes) e de Arcoverde, o MPPE recomendou a testagem do agente causador do novo coronavírus (SARS-Cov-2) neste grupo de pessoas.

As vigilâncias sanitárias dos municípios em questão, por sua vez, devem manter contato telefônico diariamente com todas as ILPIs das cidades, para que assim os órgãos possam tomar conhecimento dos casos suspeitos de Covid-19 e dos óbitos ocorridos nessas localidades, sejam aqueles ocasionados por quaisquer causas. Fiscalizações aleatórias para verificação da veracidade das informações relatadas também poderão ocorrer.

As instituições devem, também, estar atentas ao cumprimento das políticas públicas no tocante às precauções contra o novo coronavírus determinadas pelo Ministério da Saúde, Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco (SES-PE) e de seus municípios, bem como Vigilância Sanitária. Nos casos do Recife, é de responsabilidade das ILPIs, ainda, a disponibilização de material de higienização adequado aos idosos residentes, tais como: sabão líquido, gel alcoólico, saboneteira (para o gel e para o sabão líquido) e toalhas de papel.

Para mais, caso as autoridades de saúde exijam que um idoso se dirija à uma instituição médica para tratamento (seja ela pública ou particular), o residente deve seguir suas instruções imediatamente. Nesses casos, o transporte público deve ser evitado e o paciente e a equipe acompanhante devem, sempre, usar máscara. Após a transferência para uma instituição de saúde, será necessário limpar e desinfetar completamente a área onde o residente permaneceu.

Cuidado com idosos em época de pandemia e "lives" para informar

Em Arcoverde, o Ministério Público do Estado de Pernambuco recomendou que a Secretaria de Saúde do município intensifique as medidas de sanitização e a realização de testes contra a Covid-19 em Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs).Com o objetivo de manter acesos os debates, bem como a orientação realizada à população e a articulação entre as diversos entidades, foi criado um novo canal oficial do MPPE no Instagram, no endereço: instagram.com/escolasuperiormppe.#ilpis #lives #todoscontraocorona

Posted by Ministério Público de Pernambuco – MPPE on Tuesday, 26 May 2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *